Dólar Em alta
5,355
13 de junho de 2024
quinta-feira, 13 de junho de 2024
Moema Giuberti
Moema Giuberti
Moema Giuberti. Promotora de Justiça há 17 anos. Mestra em Direto pela PUC/SP. Poetisa nas horas vagas.

O passar das estações

No vai e vem incessante do tempo, há um sussurro constante que permeia nossas vidas, uma melodia invisível que ecoa em nossas almas: o envelhecimento. É como se cada ruga fosse um capítulo adicionado à história de nossa existência, cada fio de cabelo prateado uma página virada no livro da vida.

No entanto, mesmo que o tempo avance inexoravelmente, há uma relutância inerente dentro de nós para aceitar esse processo natural. Somos seres moldados pela juventude, obcecados pela ideia de permanecer eternamente jovens. Como se o tempo pudesse ser detido com cremes e poções mágicas, como se pudéssemos congelar o relógio apenas desejando-o ardentemente.

Mas o tempo é implacável. Ele se desdobra diante de nós, revelando as marcas do tempo em nossos corpos e mentes. E é nesse confronto inevitável que encontramos resistência. Negamos as mudanças que o tempo traz, lutando contra as linhas que se formam em nossos rostos, os sinais de uma jornada vivida.

A sociedade, muitas vezes, não ajuda. Somos bombardeados por imagens de juventude e beleza, como se envelhecer fosse algo a ser temido, algo a ser evitado a todo custo. O culto à juventude nos leva a medidas extremas, buscando desesperadamente a eterna juventude em vez de abraçar a sabedoria que vem com a idade.

No entanto, há uma beleza na passagem do tempo, uma profundidade que só pode ser alcançada através das experiências vividas. Cada ruga conta uma história, cada cabelo grisalho uma lição aprendida. É na aceitação do envelhecimento que encontramos a verdadeira liberdade, a capacidade de abraçar quem somos, independentemente das marcas que o tempo deixou em nós.

Então, deixe o tempo fluir como um rio selvagem, levando-nos em sua correnteza inexorável. Aceite as rugas como troféus de uma vida bem vivida, os cabelos prateados como medalhas de honra. Pois é na aceitação do envelhecimento que encontramos a verdadeira beleza da existência humana.

Moema Giuberti
Moema Giuberti
Moema Giuberti. Promotora de Justiça há 17 anos. Mestra em Direto pela PUC/SP. Poetisa nas horas vagas.

Você por dentro

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Escolha onde deseja receber nossas notícias em primeira mão e fique por dentro de tudo que está acontecendo!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Notícias Relacionadas