Transcol-2_jpgEstá em vigor o novo preço das passagens para os usuários do Sistema Transcol de transporte coletivo, que opera na Região Metropolitana da Grande Vitória. O reajuste foi anunciado na sexta-feira (11) pelo Governo do Estado e foi de 10,29%, passando de R$ 3,40 para R$ 3,75. A tarifa com desconto no domingo passará de R$ 2,95 para R$ 3,25 e o Bike GV passará de R$ 1,70 para R$ 1,85.

O Sistema Transcol opera atualmente com 1,4 mil veículos na frota, aproximadamente 12 mil viagens e 550 mil passageiros por dia. Com tarifa única para todo o sistema, hoje é possível ir de Setiba, em Guarapari, até Praia Grande, no município de Fundão, percorrendo cerca de 96 quilômetros.

As linhas do Serviço Especial Seletivo têm valores que variam de acordo com as distâncias percorridas. Por força de decreto, as passagens do Seletivo não podem custar mais do que 100% do valor da tarifa do Transcol. Sendo assim, as linhas de Vila Velha, Cariacica e Viana, que custam R$ 5,70, passam para R$ 6,05. As linhas da Serra, que custam R$ 6,25, passam para R$ 6,65. As linhas de Jacaraípe e Praia Grande, passam de R$ 6,60 para R$ 7,05.

O Transcol Social oferece gratuidade integral para 24.475 estudantes.  Já os estudantes com direito à meia passagem somam 46.242. Além disso, 64.503 idosos têm direito ao benefício integral, bem como 11.098 pessoas com deficiência.

Auditoria
Uma auditoria realizada no final do ano passado apontou que o sistema está com uma dívida de R$ 360 milhões. “A auditoria demonstrou uma série de fatores que formaram esta dívida. Uma delas é a queda no número de usuários, o que implica em queda na receita. No entanto, esse não é o único problema que verificamos ao analisar esse material e os demais dados do Sistema Transcol”, explica o secretário de Estado dos Transportes e Obras Públicas, Fábio Damasceno.

Segundo ele, também houve um congelamento no subsídio, que é repassado pelo governo para as empresas que operam o sistema. “Com isso, somente quem arcou com o aumento dos custos foi a população. E mesmo assim, o sistema ainda ficou deficitário, provocando esta dívida”, explica Damasceno.

Cálculo
No contrato está definido que os reajustes da tarifa são anuais e obedecem a uma fórmula de cálculo que leva em consideração custos como mão de obra, combustível e veículos. Desde a assinatura do contrato, em 2014, a variação foi de 37,74% para salários; 54,22% para o diesel; e 29,73% para veículos. A fórmula é constituída de um conjunto de índices de variações de preços dos principais insumos utilizados na produção e prestação dos serviços do Transcol:

20% da variação do preço do litro de óleo diesel;
54% da variação dos salários de motoristas e cobradores;
10% da variação do IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna) calculado e publicado pela Fundação Getúlio Vargas.
13,55% de reequilíbrio de contrato, conforme determina a ação judicial

A soma das variações desse conjunto de índices de preços, ponderado pelo peso de cada tipo de insumo, resulta no índice de variação do valor da tarifa que será parcialmente paga pelos usuários e parcialmente paga por meio de subsídios do Governo do Estado.

Tarifas nas Regiões Metropolitanas

UF                              Tarifa             Início da vigência
Porto Alegre RS      R$ 5,90          24/12/2018
Brasília DF               R$ 5,00          28/01/2017
Belo Horizonte MG R$ 5,35          30/12/2018
Rio de Janeiro RJ   R$ 4,00          14/01/2017
Florianópolis SC     R$ 3,90          09/01/2017
São Paulo SP          R$ 3,90          09/01/2016
Goiânia GO              R$ 4,00          24/01/2018
Grande Vitória ES   R$ 3,75          13/01/2019

Cometários

  1. “Com tarifa única para todo o sistema, hoje é possível ir de Setiba, em Guarapari, até Praia Grande, no município de Fundão, percorrendo cerca de 96 quilômetros.”
    Com aproximadamente 550 mil pessoas utilizando o Transcol por dia, qual o percentual de pessoas que vão de Guarapari até Praia Grande, já que esta é a grande propaganda enganosa do sistema que beneficia empresários do setor?
    Qual o percentual de pessoas que trabalham dentro do próprio município?
    Estas usam o sistema se deslocando dentro de um município, e deveriam pagar uma passagem menor, o que faria uma diferença no bolso para milhares de trabalhadores autônomos.
    Um sistema obsoleto baseado somente em ônibus que favorece somente governo e empresários.
    Não há investimentos em metrô, VLT e trem, e não há linhas internas dentro dos municípios para favorecer o cidadão local.
    Muito suspeito este sistema de transporte coletivo, que deveria ser investigado profundamente, principalmente por causa da enorme dívida: se há reclamações da classe empresarial a respeito de pouco lucro, por que não colocam à venda e partem para negócios mais lucrativos?
    Qual doido que fica batendo prego em aço inox?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *