Filipe Lima

Filipe Lima é empreendedor e fascinado pelas ideias e soluções inovadoras. Vasta experiência em projetos e estratégias de gestão de produtos para ambientes TI. Atualmente é Diretor Executivo da EverestWork. Possui especialização em Pós-Graduacão Lato Sensu em Gestão de Projetos e Graduação em Sistema de Informação.

Filipe Lima – filipe@everestwork.com.br

{'nm_midia_inter_thumb1':'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/70x70/1_maria_fernanda_e_maroon_51-209681.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5857c41d66a6f', 'cd_midia':209681, 'ds_midia_link': 'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/maria_fernanda_e_maroon_51-209681.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': 'Divulgação', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '3', 'cd_midia_w': '400', 'cd_midia_h': '298', 'align': 'Right'}Realidade virtual é uma tecnologia de interface avançada entre um usuário e um sistema operacional. O objetivo dessa tecnologia é recriar ao máximo a sensação de realidade para um indivíduo, levando-o a adotar essa interação como uma de suas realidades temporais. Para isso, essa interação é realizada em tempo real, com o uso de técnicas e de equipamentos computacionais que ajudem na ampliação do sentimento de presença do usuário
Em meio a toda essa inovação, Maria Fernanda Lauret, uma capixaba formada em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Espírito Santo, tem alcançado destaque em Los Angeles nos Estados Unidos, onde atualmente é Stitcher e Editora de Vídeos na Huffpost RYOT – uma das agências de maior credibilidade do mundo – que produz diversos vídeos e documentários em 360º com o intuito de promover ao público uma experiência mais consistente e única do que qualquer outra mídia.
Envolvida em projetos voltados pra Realidade Virtual, através da agência em que trabalha, já editou centenas de vídeos lineares de notícias, vistos por mais de 300 milhões de internautas. Durante os Jogos Olímpicos desse ano no Brasil, ela teve a missão de filmar e editar vídeos em 360º para dar dimensão aos impactos sociais gerados pelas Olimpíadas na cidade do Rio de Janeiro e com foco em questões culturais brasileiras.
********
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/70x70/1_facebook_fake_news1-209680.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5857c41d66a6f', 'cd_midia':209680, 'ds_midia_link': 'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/facebook_fake_news1-209680.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': 'Divulgação', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '3', 'cd_midia_w': '400', 'cd_midia_h': '358', 'align': 'Left'}Facebook combate notícias falsas
O Facebook recebe constantemente críticas, por não coibir a disseminação de notícias falsas em sua rede. Depois de muitas críticas a empresa resolveu implementar medidas que combatam a disseminação de notícias falsas. Para isso, o usuário deve clicar no lado direito superior da postagem, escolher “Denunciar publicação” e marcá-la como “notícia falsa”.
A opção vai aparecer próxima a itens como “é irritante”, “é spam” e “acredito que não deveria estar no Facebook”. Que em seguida será analisada pela equipe do Facebook.
********
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/70x70/1_materia_c_1_-209686.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5857c41d66a6f', 'cd_midia':209686, 'ds_midia_link': 'http://www.eshoje.jor.br/_midias/jpg/2016/12/19/materia_c_1_-209686.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': 'Divulgação', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '3', 'cd_midia_w': '350', 'cd_midia_h': '183', 'align': 'Right'}Netflix vai pagar imposto
Em discussão desde 2015, um projeto de lei que prevê cobrança de imposto municipal sobre serviços como Netflix foi aprovado pelo Senado nesta quarta-feira, 14/12. O texto agora segue para sanção do presidente Michel Temer. O projeto que visa a reforma do ISS (Imposto sobre Serviços de qualquer natureza) estabelece em 2% a alíquota mínima do imposto, equilibrando os valores cobrados pelos municípios.
Segundo o projeto atividades como disponibilização de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto em páginas eletrônicas como Netflix e Spotify, por exemplo devem pagar imposto. Em algumas cidades e estados dos EUA e outros países existem projetos semelhantes em discussão para regulamentar essas novas modalidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *