Dólar Em alta
4,928
21 de fevereiro de 2024
quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

Vitória
23ºC

Dólar Em alta
4,928

Defesa de Cid sugere erro da investigação e diz que vídeo de reunião em nada muda delação

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O advogado do tenente-coronel Mauro Cid, Cezar Roberto Bitencourt, avaliou como ótimo o vídeo divulgado na sexta-feira (9) da reunião ministerial de Jair Bolsonaro (PL) em que o ex-presidente e auxiliares discutem claramente cenários golpistas.

Bitencourt disse à reportagem que o conteúdo da gravação serviu para mostrar uma postura “arbitrária, prepotente e de determinação” do ex-presidente. “Ninguém fala, e ele tentando armar, deu para ver”, afirmou. “Eu adorei ouvir aquela audiência, a balbúrdia, a prepotência”, acrescentou.

Apesar disso, ele disse que a divulgação “não muda em nada” o acordo de delação premiada firmado pelo ex-ajudante de ordens de Bolsonaro.

O advogado também afirmou não fazer a “menor ideia” se o militar será chamado novamente para depor por conta das revelações do vídeo, mas que Cid está à disposição. “Estamos nadando de braçada, estamos felizes. Cid está se sentindo bem e tranquilo”, disse.

Questionado sobre os motivos de ele não ter falado antes sobre o vídeo, encontrado em seu computador pela Polícia Federal, a defesa afirmou que isso não faz diferença.

“Tem um monte de prova, de elementos. Ele não lembrava. Não faz a menor diferença”, disse.

“Não sei quem gravou o vídeo, imagino que seja uma gravação oficial. Não estou preocupado com quem gravou, quem deixou de gravar. Isso não tem a menor importância, e sim o conteúdo do vídeo.”

Além disso, o advogado disse que é “coisa” da mídia as especulações de que investigadores do caso não teriam gostado de Cid ter omitido a reunião em sua delação.

“Quando eu sou réu, sou investigado, e a autoridade policial me chama lá para ser ouvido, vou com o meu advogado —o melhor que eu tiver— e vou responder as perguntas que eles me fizeram. Ponto, acabou.”

Ele também afirmou que, se alguém errou, foram os investigadores que não perguntaram sobre o vídeo.

“São anos de fatos, de acontecimentos, de coisas. Como é que eu vou lembrar? Quem tem de perguntar são as autoridades. Se você quer saber, eles fazem um rol de perguntas, centenas delas. Por horas e horas, lá, dando depoimentos. Eu vou lembrar? Vou ter que lembrar de detalhes de uma coisa? Quem tem que lembrar é quem investiga. Chama-se investigação. Eles investigam. Se alguém errou, falhou, foram eles.”

O advogado disse também não ter preocupação sobre o diálogo achado entre Cid e o major das Forças Especiais do Exército Rafael Martins de Oliveira sobre o pagamento de R$ 100 mil para custear a ida de manifestantes à Brasília. “Se verificar o contexto que ele falou, não temos nenhuma preocupação”, disse.

O vídeo revelado mostra uma reunião realizada em 2022, a três meses do primeiro turno, em que Bolsonaro aparece propagando notícias falsas sobre as urnas eletrônicas e pedindo que seus subordinados difundissem essas alegações.

Ministros militares presentes, por sua vez, falam em necessidade de “virar a mesa” antes das eleições e que a comissão de transparência eleitoral do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) era para “inglês ver”.

Trechos do vídeo foram transcritos na decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), que autorizou a operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal na quinta (8) e que investiga uma organização criminosa que teria atuado na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado democrático de Direito.

A operação também mostrou que Cid, com ajuda de outras pessoas, monitorou a agenda e o deslocamento de Moraes, que também é presidente do TSE.

A ação da PF resultou na prisão de ex-assessores de Bolsonaro e do presidente do PL, Valdemar Costa Neto —este por ter sido flagrado em posse ilegal de arma de fogo.

Além do próprio Bolsonaro, mirou militares de alta patente e ex-ministros com mandados de busca e apreensão, entre eles os generais Augusto Heleno (ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional), Walter Braga Netto (ex-Casa Civil e candidato a vice) e Paulo Sérgio Nogueira (ex-Defesa).

CONSTANÇA REZENDE

Você por dentro

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Escolha onde deseja receber nossas notícias em primeira mão e fique por dentro de tudo que está acontecendo!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Notícias Relacionadas