Dólar Em baixa
5,600
22 de julho de 2024
segunda-feira, 22 de julho de 2024
Vitória
21ºC
Dólar Em baixa
5,600

Prematuridade: conheça os risco e saiba como prevenir

No Brasil, aproximadamente 340 mil bebês nascem prematuros a cada ano, segundo informações do estudo “Nascer no Brasil”. Estima-se que um em cada dez bebês nascem prematuramente no mundo, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Além disso, a prematuridade é a principal causa de mortalidade infantil antes dos cinco anos.

A prematuridade ocorre quando o bebê chega ao mundo antes de completar as 37 semanas e existem vários riscos, pois seus órgãos e sistemas não tiveram tempo suficiente para se desenvolver plenamente no útero.

Os bebês nascem frequentemente com baixo peso e são mais suscetíveis a uma série de problemas de saúde, como infecções, dificuldades respiratórias e complicações na amamentação.

A pediatra e neonatologista da Materlux Larissa Perim explica que, “além disso, há um aumento do risco de complicações de longo prazo, incluindo atrasos no desenvolvimento, problemas de visão e audição, bem como distúrbios cardíacos e respiratórios”, destaca a especialista.

Quando um bebê é classificado como prematuro?

A classificação da prematuridade, conforme a idade gestacional estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), inclui três categorias:

– Extremamente prematuro: nascido com menos de 28 semanas;
– Muito prematuro: nascido entre 28 e 31 semanas e 6 dias;
– Prematuro moderado a tardio: nascido de 32 a 36 semanas e 6 dias de gestação.

Quanto menor a idade gestacional, mais desafiador pode ser o prognóstico do bebê. A pediatra e neonatologista Syane Gonçalves explica que o desenvolvimento completo do sistema cardiorrespiratório ocorre nas últimas semanas de gravidez. Antes desse amadurecimento, a criança pode ter dificuldade em se adaptar à vida fora do útero, e isso resulta em problemas de saúde a longo prazo.

Quais os fatores de risco para a prematuridade?

Existem diversos fatores de risco para a prematuridade, incluindo a falta de cuidados pré-natais adequados, tabagismo, consumo de álcool, infecções, gestações múltiplas, gravidez na adolescência e complicações maternas. “Estresse e fatores socioeconômicos também impactam nesse cenário”, aponta Syane.

A médica ainda enfatiza a importância de se procurar um pediatra desde o pré-natal e de contar com uma equipe multiprofissional capacitada para fornecer assistência aos bebês prematuros e suas famílias. “A prevenção da prematuridade começa com o planejamento familiar, passa por um pré-natal bem feito e um parto seguro, tanto para mulher quanto para recém-nascido”, explica.

Prematuridade e gravidez na adolescência

Há vários fatores relacionados à gravidez na adolescência e o risco de parto prematuro, principalmente na faixa etária de 10 a 14 anos, segundo a ginecologista e docente em saúde da mulher, Georgia Brito. “Entre essas situações de risco estão a falta de adesão às consultas de pré-natal, distúrbios hipertensivos da gravidez, anemia, diabete gestacional e outras complicações durante o parto, como infecções”.

A especialista explica que a gestação é considerada de alto risco, pois a menina nessa faixa etária não tem maturidade fisiológica para gestar. “Para a mãe adolescente, um dos maiores perigos é a morte materna. Já para os bebês, o baixo peso ao nascer é o maior fator determinante de mortalidade neonatal. Há também ocorrências de infecções perinatais, má adesão à amamentação, déficit no crescimento e desenvolvimento da criança, além de baixo desempenho escolar.”

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a gravidez na adolescência se caracteriza quando ocorre entre os 10 e os 20 anos. Apesar do índice ter diminuído nos últimos anos, o Brasil tem uma taxa média de 400 mil casos de gestação na adolescência por ano, uma das mais altas do mundo.

Apoio psicológico é fundamental

Quando uma família tem um bebê prematuro, é comum sentirem preocupação, incerteza e medo, de acordo com o psicólogo Patric Barbosa.

“Geralmente, a mãe se pergunta se fez durante a gravidez causou isso, ou se não é tão saudável quanto deveria ter o filho nas condições ideais.”

Além disso, existe o receio de não poder ter contato imediato com o bebê após o parto, em não poder cuidar da criança como planejado e sair do hospital sem o filho. Dúvidas sobre amamentação também pairam sobre a família.

“Todos esperam poder levar o filho para casa e isso, às vezes, não acontece. Existe a sensação de culpa por o bebê ter nascido prematuro, que se junta à tristeza de deixá-lo no hospital. Isso pode ser muito difícil para a família.”

Nesses momentos, o apoio de um psicólogo é fundamental, pois ajuda os pais a lidarem com os desafios emocionais e práticos da prematuridade. “Fortalece os laços entre os pais e o bebê, incentiva a participação ativa nos cuidados com a criança, além de auxiliar na tomada de decisões em situações comuns em casos de bebês prematuros, como procedimentos cirúrgicos”, enfatiza Patric Barbosa.

 

Você por dentro

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Escolha onde deseja receber nossas notícias em primeira mão e fique por dentro de tudo que está acontecendo!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Notícias Relacionadas