Dólar Em alta
5,192
29 de maio de 2024
quarta-feira, 29 de maio de 2024

Vitória
26ºC

Dólar Em alta
5,192

Curta Vitória a Minas II inicia gravações na cidade de Ibiraçu

Aquela ideia que virou história, ganhou corpo de roteiro, orientou o plano de filmagem e motivou toda uma comunidade está pronta pra ser transformada em curta-metragem. O Curta Vitória a Minas II realizou a gravação do documentário “Reciclando Vidas e Sonhos”, que tem roteiro, produção e direção da catadora de materiais recicláveis, Ana Paula D C Imberti, moradora de Ibiraçu, no Espírito Santo.

O projeto é patrocinado pelo Instituto Cultural Vale, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e conta com a realização do Instituto Marlin Azul, Ministério da Cultura/Governo Federal.

O documentário destacará relatos de vida das mulheres que integram a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis do Município de Ibiraçu (Ascomçu). A ideia é mostrar como a criação da entidade e o trabalho de preservação do meio ambiente através do cuidado com a destinação adequada dos resíduos sólidos transformaram a cidade e a vida das pessoas envolvidas com a coleta, a separação e a reciclagem do lixo seco.

“Reciclando Vidas e Sonhos” é uma das dez histórias que serão transformadas em filme em cidades capixabas e mineiras que se desenvolveram no entorno da Estrada de Ferro Vitória a Minas. “Dezinha e Sua Saga”, escrita pela auxiliar de serviços gerais Luciene Crepalde, foi a primeira história a ser gravada de 20 a 22 de janeiro, em Nova Era (MG). Na sequência o projeto pegou o caminho para Ibiraçu. De lá as gravações seguem para a ficção “O Último Trem”, do vendedor Fabrício Bertoni, morador de Colatina.

Na segunda etapa serão gravadas as seguintes histórias: “Santa Cruz”, da artesã Rita Bordone, de Ipatinga (MG); “T-Rex e a Pedra Lascada”, do biólogo Luã Ériclis, de João Neiva (ES); “Colatina, A Princesa do Rock”, do jornalista Nilo Tardin, de Colatina (ES); “Lia, Entre o Rio e a Ferrovia”, da professora e comunicadora Elisângela Bello, de Aimorés (ES); “Mães do Vale: Um olhar sobre a Maternidade”, da contadora Patrícia Alves, de Coronel Fabriciano (MG); “O Tempo era 1972”, do aposentado Ademir de Sena, de Naque (MG); e “Um Ponto Rotineiro”, da estudante Jaslinne Pyetra, de Baixo Guandu (ES).

Mão na massa

Curta Vitória a Minas II inicia gravações na cidade de Ibiraçu

Após quinze dias de oficinas audiovisuais, em setembro do ano passado, os dez autores voltaram pra suas cidades para mobilizarem e prepararem as comunidades para as filmagens. Agora, eles colocarão em prática o aprendizado sobre fotografia, som, direção, direção de arte e produção, contando com o suporte de equipamentos de captação de imagens e de som e a orientação de uma equipe de profissionais audiovisuais. Depois das gravações, cada autor partirá para a montagem tendo o acompanhamento de um editor.

As obras comporão um circuito de difusão com exibições abertas e gratuitas em telas de cinema montadas em ruas e praças das cidades participantes. A comunidade assiste ao filme do lugar e a obras feitas por outros autores selecionados pelo projeto. As ficções e documentários participam ainda de mostras e festivais de cinema.

O objetivo é possibilitar aos moradores das cidades que se desenvolveram ao longo da Estrada de Ferro Vitória a Minas a oportunidade de contar histórias e transformar em filme, registrando as memórias, os costumes, os hábitos, as lendas e as peculiaridades destas localidades, contribuindo para o fortalecimento territorial e comunitário.

Você por dentro

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Escolha onde deseja receber nossas notícias em primeira mão e fique por dentro de tudo que está acontecendo!

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Notícias Relacionadas