Uma equipe formada por veterinários, biólogos e ativistas saiu de Teresina nesta sexta-feira, 21, com a missão de realizar a transferência da ursa Marsha do zoológico da cidade para um santuário em Joanópolis, no interior de São Paulo. Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) transportou o animal em uma jaula climatizada. O processo de mudança do mamífero para sua nova casa deve durar três dias.

Marsha ficou conhecida como “a ursa mais triste do mundo” depois que grupos de defesa dos animais denunciaram sua história. Segundo relatos de ativistas, o mamífero foi explorado por cerca de 20 anos em um circo do interior do Maranhão, onde era obrigado a fazer truques em troca de alimentos. Em seguida, a ursa foi levada para o Parque Zoobotânico de Teresina.

O forte calor da capital piauiense seria prejudicial à saúde da ursa, animal que vive em regiões frias. Em setembro, a temperatura na cidade pode passar de 40ºC.

“Imaginem uma ursa parda siberiana, com pelagem própria para aguentar o frio do Canadá, sob o sol escaldante do Piauí”, escreveu a ativista e apresentadora de TV Luisa Mell em sua página no Instagram.

Luisa acompanha a transferência da ursa até o Santuário Ecológico Rancho dos Gnomos, em Joanópolis.

“Ela entrou em depressão profunda, e as imagens de sua tristeza comoveram o País”, afirmou. “Depois de mais um ano e meio de luta judicial, abaixo assinados, acordos políticos, finalmente conseguimos a libertação da Marsha.”

Felipe Cordeiro
Estadao Conteudo
Copyright © 2018 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *