Por que países com grandes potenciais hídricos possuem contas de energia extremamente inferiores às do Brasil, produzem mais e são infinitamente mais ricos do que nós?

Poderíamos ter meia dúzia ou mais de usinas tipo Itaipu e até maiores, mas a ladroagem, a burocracia, o tal do meio ambiente emperram e fazem com que tenhamos a energia mais cara do mundo.

Alguém já teve oportunidade de examinar uma conta de consumo de energia ou até mesmo de água, para sua residência ou indústria, para ver o valor do ICMS cobrado?

Nenhum consumidor imaginou ver uma conta de energia de sua casa ou de seus negócios ser reduzida de um mês para o outro? Por que pagamos a energia mais cara do mundo?

Uma idéia interessante. Se a partir de hoje, agora, começássemos a contar 100 anos, pela lógica, raros brasileiros estarão vivos em 2.117. Novas gerações se sucederão e o Brasil continuará esta impressionante esculhambação da atualidade, talvez até com processo pior do que o Lava- Jato, por que não existe gente com a necessária capacidade para consertar as mazelas sociais.

Dentre os 217 milhões de brasileiros vivos hoje, conforme dados do IBGE, apenas em torno de10% desse formidável conjunto humano, caso o país fosse sério , teria condições de ser encostado no paredão para ser fuzilado por prevaricações as mais diversas.

Nossa classe política e insaciável. Ela pensa que os recursos públicos caem do céu, que não são arrancados dos magros bolsos da sociedade, através dos métodos mais indecentes de se cobrar impostos, principalmente através do Imposto de Renda. O fruto do meu trabalho não pode ser considerado renda, é salário, mas dentre os raros países que cobram IR dos seus cidadãos, o no Brasil é mais caro, graças a estupidez dos nossos legisladores.

O Brasil é um país sui generis, diferente de tudo que se possa imaginar. Em todo mundo o sistema de cobrar imposto é através da circulação de mercadoria. Aqui no Brasil, com intuito de agradar São Paulo, um tal Confaz, órgão criado por força de São Paulo e que reúne secretários de fazenda de todos os estados, estabeleceu um processo de arrecadar impostos que chamam de “substituição tributária”. Se é por circulação de mercadorias, que sai com um imposto da fábrica e ganha outro percentual ao ser a mercadoria vendida, não pode ser tratado como pagamento antecipado , no faturamento da fábrica para a empresa do comércio varejista ou atacadista. O sistema é estúpido, cruel, indecente, mas tem um tal de Supremo Tribunal que não reconhece a arbitrariedade. Que manda é São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *