carla assassina1A Polícia Civil identificou a suspeita assassinar com cinco tiros o secretário de Gerência Geral de Itapemirim, José Mauro Sales, em Itaoca. Carla Rogéria Lima, 46, é telefonista da prefeitura do município, mas ocupava o cargo de diretora-geral da Defesa Civil, até ser exonerada há cerca de 15 dias. Esse pode ter sido um dos motivos do crime. Ela está foragida desde a noite do último dia 4.

As informações foram levantadas durante um inquérito conduzido pela 9° Delegacia Regional de Cachoeiro de Itapemirim. Ao total, 15 pessoas depuseram sobre o caso, entre eles estão o marido de Carla, identificado como “Jacaré”, o enteado e um taxista que conduziu a acusada ao local do crime. Outra teoria para o crime seria um impedimento de participação da empresa do esposo de Carla em licitações públicas.

“Há elementos que apontam que Carla tinha interesse na morte da vítima, por ter sido exonerada do cargo de diretora. Além disso, de acordo com informações colhidas na investigação, a família de Carla possuía inúmeros contratos de serviços de pirotecnia junto à prefeitura e que foram cancelados por José Mauro”, disse o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, André Garcia.

g_mauro-sales-da-penhaO crime aconteceu no dia 3 de setembro e está sob responsabilidade do delegado Djalma Pereira. As equipes de investigação identificaram a suspeita após colherem depoimentos de testemunhas, analisarem imagens de câmeras de videomonitoramento próximas ao local do crime e realizarem outras diligências.

Segundo o delegado, no dia do crime, Carla foi de táxi até a casa da vítima e o executou com uma arma de fogo. Chegando lá, invadiu a residência, discutiu com a vítima antes de disparar um revólver calibre 38. José Mauro tentou fugir, mas morreu atingido por cinco vezes.

Ainda segundo ele, a arma utilizada no crime foi entregue à polícia por Jacaré, e está sendo periciada. Já o taxista que transportou a assassina foi identificado, prestou depoimento na delegacia e pode responder pela participação no crime. Ele informou que levou Carla Rogéria até o local do crime e depois a deixou em casa, mas que não teve coragem de denunciar poo medo de ser morto.

O Inquérito Policial não está concluído e o caso segue sob investigação, para apurar se há outros elementos por trás da morte do secretário. “Por enquanto, nenhuma linha de investigação foi descartada. Vamos continuar realizando oitivas para finalizar o Inquérito”, disse o delegado.

Quem tiver Informações sobre o paradeiro pode ligar para o Disque Denúncia (181). O sigilo e o anonimato são garantidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *