A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) vai ter toda a segurança reforçada nos quatro campis do Estado por 120 policiais militares da reserva. Isso será possível a partir de convênio entre o Governo do ES e a Ufes. Porém, não agradou as empresas de segurança filiadas ao Sindicato das Empresas de SegurançPrivada do Espírito Santo (Sindesp-ES). De acordo com o presidente da entidade, Edimar Barbosa, a parceria pode provocar demissões.

“O convênio do Governo Estadual, por enquanto com a Ufes, na prática vai contribuir aumentar o desemprego, de centenas de trabalhadores vigilantes, causando efetivo impacto negativo na paz social, e também revés financeiros para a manutenção de suas famílias”, avaliou o presidente.

Para Barbosa, a melhor medida é ampliação da equipe de vigilância, que atualmente é escassa. “Hoje, a Ufes conta com um número insuficiente de vigilantes armados. Mas vale lembrar que 190 profissionais faziam a segurança dos campus da Universidade em Goiabeiras antes da redução para os 100 homens que fazem hoje, ao invés dos 48 mencionados pela direção. O aumento da violência é reflexo da redução do número de profissionais atuando no local”, diz.

O encerramento do contrato de prestação de serviços de segurança privada com a Ufes poderá gerar mais desemprego aos vigilantes, considerando a possibilidade de celebração da mesma modalidade de convênio para outros órgãos públicos que contam com o serviço terceirizados de vigilância privada, como Tribunal de Justiça e Ministério Público.

Segundo Barbosa, só no Tribunal de Justiça são 70 policiais militares aposentados fazendo a segurança, impactando diretamente no aumento de desempregados, que atualmente atinge a “amazônica” quantidade de cerca de 13 milhões de brasileiros. “Devemos, portanto, iniciar e juntar esforços para evitar o desemprego iminente de centenas de vigilantes na área da segurança privada”, destaca.

A rescisão do contrato de prestação de serviços de vigilância privada não contribui para a geração de renda e emprego, uma vez que a contratação dos serviços de policiais militares da reserva, além de não estabelecer vínculo laboral, não concorre para a geração de arrecadação de impostos municipais e federais, segundo Barbosa.

“É interessante assinalar que as empresas que prestam serviços de segurança privada emitem notas fiscais, recolhem contribuições previdenciárias, imposto de renda, Pis, Confins, entre outras contribuições, que a partir da substituição de seus empregados vigilantes por policiais militares da reserva, tais obrigações tributárias serão automaticamente excluídas da receita municipal respectiva e também da receita nacional, que já andam bastante combalidas e deficitárias”, finaliza.

Reunião com Governo
A diretoria do Sindesp-ES se reuniu com representantes do Governo, nesta terça-feira (10), no Palácio da Fonte Grande, em Vitória. Na ocasião, o Sindicato apresentou os questionamentos, que será base para a produção de uma nota técnica sobre o assunto. Uma próxima reunião será agendada, sem data prévia, para a entrega do documento. Participaram da reunião o presidente do Sindesp-ES Edimar Barbosa, o Diretor Tesoureiro Marcos Alberto Corrêa, os Advogados Luiz Antonio Lourenço Rodrigues e Luciene da Silva Moreira, o deputado estadual Sandro Locutor, a Secretária de Governo Angela Silvares,  o Subsecretário da Casa Civil para Coordenação Política, Giuliano Valladares Nader Rangel e o Secretário de Estado de economia e Planejamento Regis Mattos Teixeira

Cometários

  1. os vigilantes do espirito santo devem fazer um manifesto diante do governador em todas as suas aparições, e colocar todo desempregado independente de ser vigilantes na porta do governador , pois isto nao vai parar, as forcas militares ,vao fazer pressão , pra colocar mais gente da reserva, nas instituições publicas como escolas creche e escolas publicas , logo a prefeitura vai fazer o mesmo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *