Por Hanna Carolina

bacia_hidrografica_rio_jucu_credito_amanda_amaral_jpg-131949Para que o rodízio de água não volte nos municípios da Grande Vitória o pedido é que a população economize. A orientação é do Comitê Hídrico do Governo que anunciou nesta quarta-feira (11) que este cenário foi causado pela falta de chuva, já são cerca de 20 dias sem, e os rios que voltaram há níveis críticos, além do consumo de água elevado com a chegada do verão.
Para que os municípios não entre novamente no racionamento a Agencia Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) vai publicar uma resolução, nesta quinta (12) restabelecendo o cenário de alerta em todo o Estado. A Resolução 049/2017 prevê uma série de recomendações para evitar o desperdício e manter o consumo consciente.
“Nós queremos basicamente é manter o cenário e restabelecer a condição de alerta no Estado, manter todos em alerta de que não enfrentamos uma situação de normalidade. Nossos regimes hidrológicos apresentam níveis próximos aos críticos, em alguns mananciais níveis críticos, a partir daí estamos retomando algumas restrições de uso de forma pra tentar postergar um possível agravamento”, ressaltou o diretor-presidente em exercício da Agerh, Antônio de Oliveira Junior.
Com isso a captação de água para fins que não sejam o consumo está proibida em todo o Estado durante o dia, das 5h às 18h. Para a irrigação ou produção industrial, a captação só poderá ser realizada a noite. A orientação é que as prefeituras adaptem seus códigos de postura/conduta, com o objetivo de punir e penalizar o desperdício.
Vazão dos rios
amadeu_wetler_cesan_min_ff-212973A principal preocupação do Comitê é com a vazão do Rio Jucu, isso porque ele apresenta oscilações na vazão, com queda na captação e aumento do consumo que foi de 35% segundo Amadeu Wetler, diretor de Engenharia e Meio Ambiente da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan)
“O Jucu apresentou uma redução de vazão nos últimos dias, e ele não tem o reservatório de água como na Santa Maria e o fato dessa vazão ter chegado hoje na casa dos a 7000 l/s. O que ajuda um pouco é que o Rio Jucu tem um histórico de recuperação rápida. Mas precisamos manter o consumo entre 3200 e 3400 l/s”, acrescentou Wetler.
O que ajudaria a melhorar a situação do Jucu também seria a o reservatório. No entanto, o planejamento é que pelo menos o edital da obra seja lançado este ano, segundo o diretor da Cesan. “A obra quando iniciada, deve durar cerca de 2 a 3 anos. Com a represa serão 21 bilhões de litros de água armazenados o que garante o abastecimento para quatro meses”, destacou.
Ainda segundo Wetler o rio Santa Maria está em uma situação confortável, com 65% de sua capacidade considerando que na época do racionamento essa capacidade estava em 20%. “Por enquanto nossa preocupação é com o Rio Jucu. Mas precisamos do consumo racional da população, para que a água do Santa Maria seja suficiente para passar o período sem chuva”, alertou.
O Sistema de Abastecimento de Água de Reis Magos, no município da Serra deve ficar pronto até o final do primeiro trimestre de 2017.
Já nos municípios do interior os sistemas de abastecimentos nas cidades atendidas pela Cesan, permanecem operando normalmente, sob monitoramento contínuo.
Previsão do tempo
As chuvas durante o restante do mês de janeiro devem permanecer dentro da média segundo o meteorologista do Incaper, Ivaniel Foro Maia. Mas essa chuva deve atingir as regiões sul e sul serrana, permanecendo sem chuva as regiões do norte e Extremo norte. “O que nós precisamos é exatamente dessa chuva no interior para dar suporte e manter os níveis dos rios”, complementou
O “Veranico” como é chamado o período de ausência de chuva, deve acontecer como é de costume em fevereiro de acordo com o meteorologista. “Esse fenômeno é normal em todo o Estado em todos os anos. Por isso precisamos reforçar o consumo consciente”.
Em março as chuvas retornam e devem ficar acima ou dentro do normal.
Maia destaca que as temperaturas vão ficar acima do normal, no próximo trimestre. Nas regiões do sul e noroeste onde os picos registrados já chegaram a 41°, devem ficar cerca de meio a 1° acima da média ao longo do verão. Já na Grande Vitória os termômetros devem registrar cerca de meio grau acima da média.
Racionamento de água
As duas opções que o Comitê ofereceu para que o rodízio de água não seja necessário são: redução no consumo e chuva. Sem a previsão de chuva, a Cesan vai fazer um monitoramento contínuo dos rios, e não é possível precisar segundo Wetler, quanto tempo que o Espírito Santo consegue permanecer neste estado.
Mas se for preciso entrar em racionamento a Cesan tem os planos de operação preparados e a população será informada com 48 horas de antecedência. O rodízio será feito de forma a atender de maneira igual os setores residencial, comercial, de serviços e industrial.
Todas as informações sobre o racionamento, bem como os municípios que entrarão no rodízio e dias e horários estarão disponíveis no site da Cesan www.cesan.com.br e pelo telefone 115.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *