O turismo, ao longo dos séculos, se constitui uma mania para governantes e empreendedores. As rivalidades entre governantes, famílias, espalhadas pela Europa, cada qual criando seus palácios, seus museus, as mais importantes produções de vinho, de queijos, bebidas as mais diversas, como o uísque escocês. Todas essas ações afirmativas promoveram o turismo de muitos países, inclusive com a construção de parques de diversões famosos, como a Disney, se transformando o maior centro receptivo do mundo.

Recente, participei do grupo que foi visitar o município de Conceição da Barra, onde há muito não ia e, confesso, me senti desolado com a falta de amparo por parte das autoridades estaduais. Um município de praias e paisagens exuberantes, se constitui numa espécie de refúgio para quem quer descanso. Seu velho hotel, antes um excelente patrimônio turístico da costa capixaba, está abandonado.

As autoridades que cobram impostos, os burocratas que inventam meios e modos para arrancar dinheiro de quem está trabalhando, ignoram que o hoteleiro é um herói, é o maior responsável pelo desenvolvimento das atividades de turismo.

O dia que as autoridades municipais entenderem que a hospedagem é o grande atrativo para os que querem fazer turismo, deveriam estabelecer uma merreca como contribuição em impostos, pela rede hoteleira.

Com o baque na economia, vários hotéis da Grande Vitória e pelo Brasil desapareceram, não pela parte de hóspedes, com a catástrofe, mas ´pela excessiva carga tributária.

Não se dá muita importância ao desenvolvimento das atividades econômicas no país, como no caso do comércio, onde micros e pequenas empresas desaparecidas ou sem recolher impostos chegam ao astronômico número de três milhões. É um número escandaloso, perigoso, vergonhoso. As obrigações fiscais e parafiscais, em número de 69 anuais impedem que cada empresário seja um sujeito sério. Ou ele escamoteia alguma coisa ou vai falir, como está acontecendo.

Vamos conhecer, através de um diagnóstico promovido pela Federação do Comércio do Estado do Espírito Santo, a verdadeira causa da estagnação de Conceição da Barra, como será possível o desenvolvimento de uma campanha para sua revitalização.

Esses modestos ciclos de desenvolvimento que ocorrem no Brasil têm como ponto principal o despreparo dos nossos governantes para gerirem os negócios públicos. Aniquilam os recursos advindos da fiscalização com o empreguismo desenfreado e, depois, ficam chorando o leite derramado…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *