Foto: divulgação PF-ES
Foto: divulgação PF-ES

Jaqueline da Luz, de 31 anos, é apontada pela Polícia Federal (PF-ES) como chefe da quadrilha de roubo às agências dos Correios no Espírito Santo. Ela está foragida. Até o momento, a Delegacia de Combate a Crimes Contra o Patrimônio e Tráfico de Armas (DELEPAT) identificou 17 pessoas envolvidas com os crimes aos Correios em 2017, sendo que 10 estão presos, e cinco permanecem foragidos: Jaqueline da Luz, Wagner Xavier Fernandes (Manguinha), Rodolfo dos Santos Penna, Rodrigo Denardi Vicentini e Marisnaldo Medina. Veja abaixo a fotos dos foragidos.

Segundo a PF, a mulher tem quatro filhos menores de idade, mora no bairro Jabaeté, na Grande Terra Vermelha, em Vila Velha. Durante as investigações dos crimes contra os Correios em 2017, foi identificada a ligação dela com a grande maioria dos criminosos. Na manhã desta quarta-feira (23), foi deflagrada a operação Godmother com objetivo de prender os suspeitos.

Foto: PF-ES
Foto: PF-ES

A PF informou ainda que após a realização de diligências nos locais de crime, tomada de depoimento de testemunhas e interrogatórios de presos, comprovou que ela tinha posição de comando na quadrilha, sendo respeitada pelos assaltantes, oferecendo hospedagem, logística (veículos) e facilitando a obtenção de armas, além de apresentar criminosos que não se conheciam anteriormente.

Além disso, participou diretamente dos roubos às agências de Viana e Venda Nova do Imigrante nos meses de fevereiro e março de 2017, tendo providenciado veículos para os crimes e permanecido do lado de fora das agências, vigiando o local e se comunicando com os criminosos por telefone celular, dando cobertura.

O grupo criminoso rende os funcionários e clientes da empresa pública, aguardar o mecanismo de retardo do cofre para abri-lo e supostamente tranquilizar as vítimas dizendo que só querem o dinheiro do governo.

Nestes dois crimes nos quais a criminosa participou ativamente, estima-se que foram subtraídos 230 mil, além do prejuízo causado pelo abalo psicológico aos funcionários e clientes vítimas do crime, bem como os dias em que as agências permanecem sem atendimento ao público até recuperar a condição de funcionar adequadamente.

A operação contou com a participação de nove policiais federais e o apoio de 20 policiais militares, sendo realizado o cumprimento de um mandado de busca e apreensão na residência de Jaqueline da Luz e ainda o cumprimento de dois mandados de prisão contra dois assaltantes.

CRIMES INVESTIGADOS

Os investigados responderão pelos crimes de roubo qualificado e associação criminosa armada, previstos respectivamente nos Artigos 157, §2º, incisos I, II e V do Código Penal, cujas penas somadas poderão chegar a 13 (treze) anos de reclusão por cada roubo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *