Pentagrama7_Foto_Juliana RomanoDepois de curta temporada no Sesc Glória pelo projeto Cena Local, a peça “Pentagrama” sobe ao palco do Teatro Carlos Gomes nos dias 21, 22 e 23 de julho (sexta, sábado e domingo). O espetáculo, do Grupo Z de Teatro e Agregados, apresenta as histórias de cinco personagens distribuídos, inicialmente, em dois casais. Suas histórias talvez pudessem correr paralelas, mas entrecruzam-se, embaraçam-se, embaralham-se.

Os ingressos, que já estão à venda na bilheteria do teatro, são limitados, uma vez que cada sessão recebe apenas 45 pessoas. As apresentações fazem parte do Edital de Ocupação do Teatro Carlos Gomes, viabilizado pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult).

Resultado da participação de Fernando Marques no projeto “Janela de Dramaturgia”, realizado em Belo Horizonte, o texto fala sobre encontros e desencontros, relações que começam e findam, expectativas e decepções, sobre estar só, sobre buscar companhia, e, falando disso, talvez fale também de amor.

O espetáculo conta com um elenco de cinco atores parceiros do Grupo Z que foram convidados para o projeto em 2015. A peça estreou em setembro do ano passado na Má Companhia (sede dos grupos Z e Repertório Artes Cênicas e Cia.).

Serviço – Teatro
“Pentagrama”
Grupo Z de Teatro e Agregados
21, 22 e 23 de julho (de sexta a domingo): sexta-feira e sábado às 20h / domingo às 19h.
R$ 20 (inteira); R$ 10 (meia)
Teatro Carlos Gomes – Praça Costa Pereira, Centro, Vitória.
Classificação: 12 anos
Capacidade: 45 lugares

Sinopse: Adriano ama Ariadne, que quer ir à festa com Abel, que quer retomar a relação com Aurora, que quer enciumá-lo com André, que quer passar a noite com alguém e só pensar na vida quando for manhã. O amante que espera, o inesperado que surge depois da esquina, as efêmeras juras eternas, a vontade de estar só, a incapacidade de ficar só. Inícios e fins, expectativas que naufragam, acordos e suas falhas, identificações que não garantem nada, o acaso, as loucuras. Os encontros e desencontros de cinco personagens que, à maneira da Quadrilha de Drummond, vão construindo uma teia em seus descaminhos em direção ao outro. Pentagrama é uma quase história de amor. Ou uma história de quase amor. Ou, vá lá, uma história de amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *