Foto: Divulgação / Arquivo Secom
Foto: Divulgação / Arquivo Secom

Paulo Hartung (MDB) e Renato Casagrande (PSB) estão cada dia mais perto de protagonizarem mais um embate nas urnas, repetindo o que aconteceu nas eleições de 2014. Ambos se movimentam para consolidar suas candidaturas ao Governo do Espírito Santo. E o atual governador está em vantagem, no que diz respeito aos apoios.

Já estão fechados em torno de seu projeto de reeleição 14 siglas. E, de acordo com o presidente do MDB capixaba, Lelo Coimbra, Hartung tem dado sinais e feito afirmações no sentido de concorrer ainda pelo partido. Desta forma, seguiriam com ele, se as eleições fossem hoje, o seu partido e ainda PSDB – do vice-governador Cesar Colnago -, PSD, PTB, PRB, DEM, PSC, PROS, PHS, PEN, PMN, PTC, PSL e Solidariedade.

Conforme ESHOJE publicou com exclusividade na última semana, tanto o atual chefe do Poder Executivo estadual quanto o ex-governador Casagrande seguem como os preferidos do eleitorado na Grande Vitória (relembre). Mas Renato está em desvantagem no apoio dos partidos, uma vez que hoje estão com ele apenas o seu PSB, PPS e PP.

Ainda não definiram de que lado ficarão, ou se farão terceira via, os partidos PR, PCdoB, PSOL, Rede, PDT, PRTB, Avante, PSDC e Prona.

Vice
A um mês do período de filiações, marcado para março, e cinco para o junho das convenções, muita discussão ainda virá. Inclusive se todos os partidos manterão essas alianças ou seguirão em novos rumos. Dentro do ninho tucano, há grupos se movimentando em sentido contrário ao do presidente e vice-governador, Cesar Colnago.  Desta forma, pode haver revoada.

Um grupo de filiados ao PSDB liderados por Max Filho e Luiz Paulo se aproxima do PP, de Marcus Vicente. E, com a dificuldade deste se reeleger deputado federal, ele pode ser o indicado a vice de Casagrande. Já na chapa de Hartung, o nome indicado pelo grupo é do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Erick Musso.

Cometários

  1. Curioso, não é isto que vejo nas ruas, por onde converso, bairros, bares, táxis, UBER , restaurantes, igrejas, polícia Civil, PM, funcionários públicos em geral, todo o Estado, só vejo falar em Renato.
    A estratégia de PH não vai funcionar nesta eleição de 2018, aparecer dando ordem de serviço que não tem outro sentido que não seja o eleitoral, prometer a partido e liberação cargos e poder e não cumprindo descartando os mesmos como um saco de lixo, ditatorial e pretencionismo por 3 anos e no ano eleitoral posando de bom moço, chega, o Estado acordou, se arrependeu de ter tirado Renato em 2014, não vai deixar ser enganado em 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *