Por Paulo César Dutra

É da legenda de Bolsonaro, o PSL, que vem a maior parte dos pré-candidatos ligados às Forças Armadas – 60 deles são filiados a legenda. Dos 71 postulantes, entre militares da reserva e da ativa, há uma única mulher. A coronel da reserva do Exército Regina Moézia, de 54 anos, quer ser deputada distrital em Brasília. Terceira geração de militares de sua família e integrante da primeira turma de mulheres do Exército, coronel Regina diz estar acostumada a lidar com grupos majoritariamente masculinos.

Coronel Regina está apostando nas mídias sociais para se eleger. Este tem sido o principal meio de comunicação dos pré-candidatos militares – que veem na falta de recursos e na filiação a partidos pequenos e sem dinheiro um dos principais obstáculos para se elegerem.
Além do PSL, outros militares vão lançar candidaturas por 13 partidos – PSDB, PSC, PR, PEN, PRP, PRTB, Novo, Patriotas, DEM, PHS, PROS, PTB e PSD. Várias patentes têm representantes – desde generais até coronéis, sargentos e capitães. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Servidores da Incaper

Sem resposta do governo os servidores do Incaper marcam uma nova reunião para o dia 24 próximo pra saber o rumo que vão tomar,
com as negociações com o Governo do Estado.

Leite em alta

Produtores de leite, representantes de cooperativas, da indústria, do governo do Estado, além de deputados, se reuniram mais uma vez para debater sobre benefícios e valorização do setor de laticínios do Espírito Santo. Na Presidência da Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (09), o Executivo anunciou que vai acatar pedido feito na última reunião, que eleva o crédito presumido de ICMS dos produtores rurais de 7% para 12%.

O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Fazenda (Sefaz), Bruno Funchal, após estudos de viabilidade que analisaram os impactos na receita do Tesouro desse novo projeto. “O objetivo do governo é fomentar a cadeia de valor do leite. Dentro das propostas que foram apresentadas, essa acatada estimula a venda interna, portanto, oferece maior valor agregado ao leite”, explica.

A outra solicitação era relacionada ao crédito presumido na saída do leite in natura: as cooperativas pediram equiparação desse crédito, atualmente dado para o leite UHT e outros produtos derivados de leite, que é de 11%. No entanto, o governo não acatou. “Dessa forma, fica parecendo que a gente estaria fortalecendo a indústria de fora”, explicou Funchal. Segundo ele, o governo precisa se aprofundar em mais estudos para entender o setor.

Para tanto, a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB-ES), junto com a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), vai apresentar mais dados à O presidente Erick Musso (PRB) agendou nova reunião para o dia 6 de junho, às 14 horas, para que OCB, Findes e Sefaz apresentem os resultados do estudo e talvez um novo projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *