Lorenzo PazoliniApós receber criticas em relação a sua atuação na prisão do deputado estadual Luiz Durão (PDT), o Delegado responsável pelo inquérito e futuro deputado estadual, Lorenzo Pazolini, não quis se posicionar sobre o assunto. “Vamos deixar o tempo passar. O caso segue em segredo de justiça e eu prefiro não comentar o fato”, afirmou.

As criticas foram feitas pelo também deputado estadual, Enivaldo dos Anjos (PSD), durante sessão extraordinária realizada na manhã desta quarta-feira (9), para discutir o Projeto de Lei Orçamentária. Para o político, Pazolini deveria ter se declarado impedido de atuar no inquérito, já que é deputado estadual eleito e o processo é contra um parlamentar.

O chefe de Policia Civil, José Darcy Arruda, também foi alvo dos ataques do deputado. Segundo o parlamentar, a casa recebeu o relatório do processo de prisão em um prazo fora do que a lei determina e isso impossibilitou que a Assembleia interferisse no caso. “Repudio o comportamento da Polícia Civil, que não respeitou a Assembleia e demonstrou desconhecimento da lei. Um delegado não pode fazer um encaminhamento desses à Assembleia. Isso teria que ser feito pelo Secretário de Segurança Pública no máximo em 24 horas após a ocorrência”.

Arruda afirma confiar na capacidade de sua equipe de delegados e destaca que agora o processo segue nas mãos do poder judiciário. “Cabe a eles, junto com o Ministério Público e a defesa, buscarem o desenvolvimento desse processo. A polícia fez o seu papel e eu conheço a capacidade e a intelectualidade dos meus delegados, que são formados em direito e conhecem a lei”, concluiu.

Sesp

Em contrapartida, a Secretaria de Segurança Pública informou, em nota, que todo procedimento foi executado dentro da legalidade “A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SESP) informa que, de acordo com a legislação, o auto de prisão em flagrante tem que ser informado imediatamente ao poder judiciário, como foi feito pelo delegado responsável, e foi referendado pelo órgão, que converteu o flagrante em prisão preventiva no dia seguinte. Ressalta ainda que a presidência da Assembleia Legislativa foi comunicada oficialmente logo após a conclusão do flagrante e, consequentemente, a prisão do deputado Luiz Durão. Porém, como a Casa estava em recesso e não existia expediente no sábado e domingo, o documento foi protocolizado somente nesta terça-feira (8), dentro das 24 horas previstas em lei. A SESP reitera que o procedimento foi executado dentro da legalidade”.

O caso

Luiz Durão foi detido no dia 4 de janeiro, após ser flagrado saindo de um motel na Serra com uma adolescente de 17 anos. O quarto onde eles estavam foi periciados e as provas encontradas confirmaram o ato sexual. O parlamentar, de 77 anos, está preso no Quartel Geral do Corpo de Bombeiros, em Vitória e teve sua prisão convertida de flagrante para preventiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *