por Paulo Cesar Dutra

Uma mulher tetraplégica que não conseguiu ir até à sala de audiência do fórum da cidade de Rio Verde, no Estado de Goiás, na Região Centro-Oeste do país, teve seu depoimento colhido no estacionamento do judiciário. A mulher debilitada não conseguiu ser transferida para a cadeira de rodas do prédio do Poder Judiciário por estar sentindo fortes dores. Assim, a juíza Tatianne Marcella Mendes Rosa Borges, da 2ª vara Criminal da Comarca de Rio Verde, no Estado de Goiás, sensibilizada, se deslocou até o carro em que a mulher estava para colher seu depoimento.

Durante a audiência, foram ouvidas varias testemunhas de acusação e, posteriormente, a vítima que se encontrava no estacionamento do fórum. Como ela se encontrava muito debilitada, não foi possível colocá-la na cadeira de rodas do Poder Judiciário e encaminhá-la pelos elevadores para a sala de audiência, que fica no 3º andar do prédio do foro.

Rio Verde é o quarto município mais populoso de Goiás, ficando atrás apenas da capital Goiânia e das cidades de Aparecida de Goiânia e Anápolis. Belo exemplo!

‘Fartura’ na Saúde
Uma denúncia do Conselho Regional de Medicina – CRM revela que no Espírito Santo a coisa está tão feia com a “fartura” do governo na área da Saúde, que falta até termômetros nos postos de Saúde. ‘Farta’ tudo. Bom, ninguém entende nada, porque o governo divulga que a Saúde vai muito bem, mas o CRM nega. Os dados foram apresentados ontem, terça-feira (3) pelo presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital, acompanhado de conselheiros federais, e do presidente do Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES), Carlos Magno Pretti Dalapicola, em coletiva à imprensa.

Atravessando em diagonal
Severino Cabral, o “Severino Pé de Chumbo”  foi prefeito do município de Campina Grande, no Estado da Paraíba, vice-governador, chefe político de muitos votos. E conhecido pelas tiradas engraçadas. Uma tarde, no Rio de Janeiro, andava pela avenida Rio Branco. Resolvendo passar para o outro lado, meteu-se na frente dos carros, fora do sinal. O guarda gritou:

– Cidadão, não pode ir por aí. É proibido atravessar em diagonal.

Severino Cabral voltou:

– Você não conhece roupa não, ignorante? Isto não é “diagonal”. É “tropical maracanã”.

Atravessou em diagonal e tropical.

Robôs como cabos eleitorais
Uma das novidades da campanha eleitoral deste ano são os cabos eleitorais da era tecnológica: os robôs. Vejam o que se apura: mais de 60% dos quase 410 mil seguidores no Twitter do senador Álvaro Dias, pré-candidato à presidência pelo Podemos, são, na verdade, perfis robôs, controlados automaticamente por terceiros. Não somente Dias está sendo seguido por robôs. Todos os candidatos têm seus exércitos tecnológicos. A análise foi feita pelo Instituto InternetLab, centro de pesquisas dedicado a temas do Direito e da tecnologia. Segundo a organização, há indícios de compra de seguidores para o candidato com o objetivo de inflar artificialmente sua reputação na rede.

Casa a casa
O eleitor está desconfiado. Arisco. Apático. Crítico. Daí o esforço que candidatos deverão fazer para sensibilizá-lo. Como? Não há tática melhor que a conversa direta, olho no olho, mão na mão. Por isso, um conselho pode ser dado. Fazer uma campanha porta a porta, casa a casa, mão na mão, olho no olho. Em tempos de descrédito e desprezo pela classe política, este será o caminho melhor.

DEM e PSB, noivas cobiçadas
O DEM, presidido por ACM Neto, é a noiva cobiçada. Por Ciro Gomes, do PDT, por Geraldo Alckmin, do PSDB, por Meirelles, do MDB e outros. O DEM se divide. Parte quer fazer aliança com Alckmin, parte com Ciro. O PSB também está sendo cobiçado. Até final deste mês, os casamentos deverão ocorrer. Tempo de mídia eleitoral – eis o cacife que esses partidos terão a dar.

Dilma em MG
A ex-presidente Dilma Rousseff lidera a corrida para o Senado em Minas Gerais. Mas há muitas dúvidas: o governador Fernando Pimentel aguentará o tiroteio? E se o senador Anastasia disparar na frente? Como Dilma explicará o desastre que foi seu governo?

Lula até o final
Confirma-se a ideia do PT de jogar Lula no embate eleitoral até meados de setembro, quando o TSE deve decidir sobre sua elegibilidade. E cresce a hipótese de que entre na chapa como candidato a vice o ex-ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, que entraria apenas como figurante. Porque o plano B, o perfil no lugar de Lula, ainda é Fernando Haddad.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *