Gilson DanielA Justiça eleitoral tem fechado o cerco contra as fraudes eleitorais. Caixa 2 e fraude em doações, por exemplo, estão na mira das maiores operações policiais, como a Lava Jato. Na última semana prefeito e vice do município de Castelo, Luiz Carlos Piassi (MDB) e Pedro Nunes (PSDB), respectivamente, tiveram seus mandatos cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES). Os dois foram acusados de captação ilícita de recursos para a campanha eleitoral de 2016.

Denúncia semelhante está sendo investigada contra o prefeito de Viana, Gilson Daniel (Podemos). Reeleito, filiado no Partido Verde, ele foi denunciado à Justiça Eleitoral por suposto esquema envolvendo “laranjas”. Na acusação, que foi entregue de forma anônima e acolhida pelo Ministério Público Eleitoral, um jantar de adesão à campanha do prefeito e, então candidato à reeleição, teve ingressos comprados por empresas que já mantinham contratos com a administração e distribuídos a funcionários.

ESHOJE teve acesso aos convites, todos no valor de R$ 1 mil. “Esses convites estão em nome de funcionários de série de empresas que estão com contratos na prefeitura e os empresários colocaram os nomes e CPF dos funcionários. Porém, muitos deles recebem perto deste valor de salário, o que inviabilizaria esta adesão, cujo pagamento foi à vista. Ou seja, empresa compra, paga e coloca o nome do trabalhador que sequer foi ao evento”, destacou o denunciante em trecho entregue à Justiça.

A denúncia foi feita em 19 de maio de 2017, por meio do cartório eleitoral de Viana. “Empresas prestadoras de serviços para a prefeitura foram chamadas pela chefe de gabinete do prefeito, na sala dela, quando eram solicitadas que adquirissem os convites no valor de R$ 1 mil e as empresas compraram os convites”, destacou o denunciante.

Contrato

Reprodução de Imagem
Reprodução de Imagem

Um vídeo gravado com câmera escondida – e, portanto, sem ter autorização da Justiça, mas entregue como provas pelo denunciante – um dos empresários confirma a compra dos ingressos. E destaca, ainda, que também deu mais de R$ 80 mil ao prefeito por meio de repactuação de contrato.  “Só de repactuação do contrato foram R$ 81 mil, bruto, que ele vai colocar na campanha. Mais os convites…”, revela Frâncio Perim.

Ele e Sirval Perim Junior são da empresa F&S Soluções em Telecomunicações e Elétrica Ltda EPP, responsável pela manutenção da iluminação pública de Viana, e cujo contrato teve seu quinto aditivo assinado em novembro do ano passado. O aditivo foi aprovado pela comissão de administração-financeira orçamentária (Comafo) em 19 de janeiro deste ano, no valor de R$ 1.364.347,44. As denúncias estão na justiça com processo em número 0000052-28.2017.6.08.0047, que conta ainda com parecer da Polícia Federal.

Prefeito: ataque político
Por meio da assessoria de comunicação da prefeitura de Viana, o prefeito Gilson Daniel lamentou o que chama de “mais um ataque político”. Ele atribui isso a sua filiação do Podemos, deixando o PV, partido em que foi eleito.
“O prefeito Gilson Daniel lamenta mais um ataque político, desta vez, por conta do crescimento do Podemos no ES, e afirma que as contas de campanha do prefeito já foram devidamente aprovadas. Com relação aos procedimentos licitatórios, a Prefeitura de Viana informa que todos os processos são executados segundo a Lei 8.666/93 e com total transparência e lisura desses atos administrativos”, disse a nota na íntegra.

Por meio do advogado Vinicius Diniz Santana, os sócios da empresa F&S Soluções disseram que não foram citados no processo e que não se manifestariam. Contudo sobre o jantar de adesão a campanha de reeleição de Gilson Daniel, “foi um evento público e aberto a todos os interessados, não existindo qualquer crime na compra de eventuais ingressos”. À reportagem o empresário Sirval Perim Junior disse, por telefone, que não lembra quantas pessoas de sua família foram para o evento, mas que ele e o irmão compraram ingressos para o jantar como pessoa física.

No que tange ao vídeo, a empresa informa não teve acesso a mídia e não poderá se manifestar especificamente. “De toda sorte, certo é que a empresa jamais fez qualquer pagamento em favor do prefeito e/ou a sua campanha”, finalizou o advogado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *