ônibusUma moradora de Linhares deve ser indenizada em R$ 2 mil, a título de danos morais, por uma empresa de transporte público de passageiros do município, após ser destratada pelos funcionários e impedida de entrar pela porta da frente do coletivo.

Segundo as informações dos autos, a mulher alegou que foi impedida de embarcar pela porta da frente do ônibus de forma gratuita. Ela explicou que, por ser idosa e apresentar a carteira de identidade como comprovante, poderia usar o coletivo sem transtornos.

No entanto, a requerente afirmou que precisou arcar com o valor da sua passagem e que foi destratada pelos funcionários da empresa de transporte, sendo constrangida na frente de todos os outros passageiros. Ainda segundo o processo, a mulher relatou que após deixar o coletivo e embarcar em outro, que fazia uma rota diferente, percebeu que o tratamento foi melhor.

Em defesa, a empresa requerida alegou que desconhece os fatos narrados pela mulher e que por isso não deveria ser responsabilizada pela insatisfação da passageira. Diante do ocorrido, o juiz responsável julgou procedente o pedido e condenou a empresa ao pagamento de indenização por danos morais. Segundo o magistrado, o dano extrapolou os aborrecimentos cotidianos e, portanto, mereceu reparação.

Cometários

  1. Sou idosa tbm eu acho um absurdo ,as vezes a gente entra no onibus e nosso lugar está ocupado por pessoas mais nova do que a gente,e outra coisa eles nem querem saber, quantas vezes já aconteceu comigo a empresa tem que se ferrar mesmo, tem que ser punida mesmo Parabéns seu Juiz, eles têm que nos respeitar mesmo os idosos, tenho 64 anos muito obrigado e passar bem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *