dor nas costasA dor nas costas é vilã na vida de muitas pessoas. Para se ter ideia da proporção do problema, ela é maior causa de afastamento do trabalho por mais de 15 dias no Brasil.  Em 2016, 116.371 pessoas tiveram de se ausentar do emprego por, no mínimo, duas semanas em razão dessa enfermidade. Os dados são do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Em uma de suas formas graves e comuns, a dor pode ser diagnosticada como hérnia de disco. Nessa situação, atividades como sentar, deitar ou viajar por longas horas tornam-se insuportáveis.  Especialistas apontam que, em 80% dos casos, a hérnia é genética. Outros fatores de risco são a obesidade, sedentarismo, traumas antecedentes e problemas mecânicos da coluna.

 O especialista em dor crônica, André Felix, explica que a hérnia de disco pode ocorrer pela compressão do nervo, pelo disco em si ou pelas duas situações. “ Ao longo dos anos, o disco tende a se desgastar. Aparecem certas rupturas nos anéis, o que permite o extravasamento do material gelatinoso. Quando este material compromete algum nervo, o resultado é a dor, localizada na região onde se dá aa lesão discal e podendo irradiar para outras partes”, explica.

Os sintomas da hérnia são variados e dependem de sua localização, como dor na região lombar, dor que piora com o movimento e melhora com o repouso, dor que pode irradiar para os membros inferiores, formigamento e, em casos mais graves, pode haver a perda de força ou paralisia de algum músculo.  “Se alguém da família teve hérnia de disco, a dica é reforçar grupos musculares, não fumar, evitar obesidade e praticar atividade física regularmente”, ressalta André.

Antes de pensar em cirurgia, os especialistas sempre oferecem outras alternativas como terapia manual, fisioterapia com uso de aparelho, acupuntura, pilates, alongamento. “É possível prevenir o aparecimento de hérnias a partir de hábitos de vidas saudáveis e trabalhos adequados, com uma boa condição ergonômica. A prática regular de exercícios físicos é fundamental e uma postura corporal adequada também podem impedir o surgimento de hérnias discais”, explicou André.

Saiba mais

Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a hérnia de disco representa 90% dos problemas ligados à coluna. Trata-se de uma condição muito prevalente no mundo todo: estima-se que 30 a 40% da população mundial possuam hérnia discal, a grande maioria sendo assintomática, ou seja, sem dor. Desta população, 2 a 3 % sofrem com os sintomas. A grande maioria destes casos, cerca de 80%, acontece em homens, entre 30 e 50 anos, mas também há uma certa incidência em mulheres adolescentes, idosos e até crianças. No post de hoje, você poderá entender melhor esta afecção que provoca tanto incômodo em diversas pessoas.

Cometários

  1. Olá! Gostaria muito de saber a fonte pesquisada pelo especialista que escreveu esse artigo. Sou profissional da saúde e pesquisadora desse problema que afeta tantas pessoas e esse dado é diferente de tudo que já estudei na literatura científica e encontrei em minha prática clínica. Ficarei grata em ler essa fonte que cita que 80% das hérnias é explicada pela genética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *