Foto: Lizandra Amario
Foto: Lizandra Amario

A família paterna de Kauã Salles Butkovsky, morto junto com o irmão Joaquim Alves, que fechou a Avenida Jeronimo, próximo ao palácio Anchieta, na manhã desta quinta-feira (8), promete novo protesto amanhã. O motivo da manifestação é a liberdade provisória concedida a Juliana Salles, mãe dos meninos carbonizados.

O pai de Kauã, Rainy Butkovsky , afirmou que na sexta-feira (9) os familiares e amigos da família estarão a partir das 16h30 na BR 101, na altura do bairro Carapina, na Serra, para continuarem as manifestações e chama a todos que se solidarizaram com a história a participar com eles “Quem quiser ir, nós estaremos lá às 16:30, quanto mais gente estiver junto, essas perdas não cairão no esquecimento, nossa luta é essa, pelas nossas crianças que foram abusadas”.

Durante o protesto desta manhã, que terminou por volta das 9h10, os familiares gritavam por justiça e relembravam casos que tiveram o mesmo fim de Kauã e Joaquim, como o de Thayná de Jesus, Fabiane Isadora e Araceli.

“O sentimento que fica é de indignação e revolta, o mesmo juiz que fez 17 relatos que culpam Juliana pelo crime é o mesmo juiz que soltou ela, é o mesmo juiz que não deixou meu advogado ter acesso aos dados e participar da audiência porque eu sou pai de apenas uma das vitimas, a família está muito indignada e revoltada” Desabafa Rainy.

Clemilda Aparecida de Jesus, mãe de Thayná Andressa de Jesus morta por Ademir Lúcio em outubro do ano passado, também esteve presente e se solidariza com o movimento “Essa é uma forma de retribuir todo o apoio que a população teve com a minha luta e me ajuda também a pedir justiça para que esses casos não caiam no esquecimento, é muito revoltante saber que monstros como esse volta pra sociedade, e a Juliana é monstro, não porque eu estou falando, foi a justiça que convenceu a todos de que ela era culpada”.

A liberdade provisória de Juliana foi concedida pela justiça na tarde da última quarta-feira (7) e na madrugada desta quinta-feira (8), por volta das 3 horas, ela deixou o Centro Prisional Feminino de Cariacica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *