Diabetes e outras doenças se manifestam pela boca. Crédito IlustraçãoConsultar o dentista duas vezes em um ano é o essencial para ajudar a prevenir problemas bucais, como gengivite e cáries. Além de detectar e reverter certas condições, os profissionais da saúde bucal, também é responsável por flagrar outras doenças que se manifestam pela boca, como a diabetes. Isso, quem afirma é a ortodontista Catarina Riva.

“A boca é a porta de entrada do corpo, portanto é importante ter uma atenção maior com essa parte do organismo. Uma das regiões mais sensíveis do corpo. Como o organismo é interconectado, um problema que se manifesta em um determinado órgão, como o estômago, pode apresentar indícios na boca”, afirma.

A primeira doença que pode se manifestar pela boca é a diabetes. O descontrole das taxas de açúcar, segundo a especialista, pode vir junto com hálito cetônico – um odor característico da doença que se assemelha ao cheiro de frutas envelhecidas. Em grande parte dos casos, os pacientes também apresentam ter gengivite, a inflamação das gengivas.

A leucemia também pode ser percebida na boca. Ela é um tipo de câncer que se inicia na medula óssea e afeta diretamente a corrente sanguínea. Devido a este fato, ocorre um inchaço na gengiva, onde há uma maior propensão a sangramentos sem nenhuma razão aparente.

Já no caso da anemia, os sintomas gerais são a palidez, falta de ar, tonturas. Na boca, a manifestação ocorre deixando a língua mais lisa, diferente do aspecto ideal do músculo, que é áspero e brilhante, e também sensação de ardência nesse órgão.

A sífilis, também se manifesta nessa região. O primeiro sintoma dessa infecção bacteriana é a ferida na gengiva que demora a cicatrizar. Segundo a dentista, a doença também pode causar placas vermelhas e úlceras em toda a região da bucal. Neste caso, existem medicamentos que auxiliam no combate à doença.

O vírus do HIV pode aparecer por meio de inflamações nas gengivas, placas esbranquiçadas, linhas verticais brancas na região lateral da língua e aftas de grande extensão na boca. Isso ocorre devido ao sistema imunológico enfraquecido pela infecção, que possibilita que micro-organismos tomem conta do espalho e levem a todas essas chateações.

Catarina Riva reitera a importância de ir regularmente ao dentista. “É necessário que o paciente vá ao dentista pelo menos uma vez por semestre. Muitas pessoas deixam de descobrir doenças nos estágios iniciais por não irem ao dentista, ou por achar que é uma simples afta sem importância. Quanto mais cedo procurar um diagnóstico, melhores são as chances de tratamento e recuperação”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *