alimentos do coracaoO próximo dia 16 de outubro é conhecido como o Dia Mundial da Alimentação, data que é lembrada em mais de 150 países como forma de conscientização sobre questões relativas à nutrição e alimentação. Escolher corretamente os alimentos a serem consumidos é uma forma de prevenir doenças, entre elas o câncer, já que grande parte dos tumores no mundo estão relacionados a hábitos alimentares pouco saudáveis.

A nutricionista Olívia Podestá, do Centro Capixaba de Oncologia (Cecon), unidade capixaba do Grupo Oncoclínicas, lembra que a rotina corrida do dia a dia tem feito as pessoas optarem cada vez mais pela praticidade na hora de escolher os alimentos a serem consumidos, preferindo comidas industrializadas ao invés de preparar o próprio alimento.

Comprar um suco pronto na caixinha em vez de espremer uma fruta e escolher uma comida pronta congelada e esquentá-la no forno micro-ondas são atitudes típicas de quem não pretende gastar muito tempo na cozinha. Esse comportamento, no entanto, pode ser prejudicial para a saúde. Olívia defende que preparar o próprio alimento é essencial para prevenir o câncer e outras doenças. “Desembalar menos e descascar mais os alimentos é a principal dica para quem está em busca de uma vida saudável”, orienta a nutricionista.

Segundo a profissional, um dos principais vilões relacionados ao surgimento de doenças crônicas na população, como o câncer, são os alimentos industrializados, entre eles os embutidos, congelados, enlatados, embalados com prazo de validade extenso, dentre outros. “Para aumentar o tempo de exposição na prateleira do supermercado, a indústria utiliza muitos aditivos e conservantes que, consumidos ao longo da vida, podem ser prejudiciais”, alerta a nutricionista.

Como é praticamente impossível não comer nada industrializado, a recomendação é aprender a ler o rótulo dos alimentos e evitar aqueles que possuem nomes desconhecidos como nitrito, nitrato, sordato, glutamato, polifosfato, monoesterato de sorbitana, dentre outros, muitas vezes identificados apenas por siglas. Ela lembra que não é necessário cortar certos alimentos mas, sim, evitar excessos, buscar alternativas e ter bom senso, já que tudo que é consumido em grande quantidade pode trazer danos à saúde.

Um exemplo de alimento rico em substâncias químicas conservantes são os embutidos, como presuntos, salsichas e linguiças industrializadas. No caso das linguiças, por exemplo, uma opção menos danosa à saúde são as artesanais ou “da roça”, que não utilizam aditivos, mas são conservadas de forma natural, com gordura de porco, sal e pimenta por exemplo. “Não é a carne que causa o câncer, mas os processados da carne”, informa.

Na hora de escolher frutas, legumes e verduras, a nutricionista recomenda os produtos orgânicos, que não utilizam agrotóxico e combatem pragas de forma natural. Eles podem ser encontrados em diversas feiras livres, onde costumam ser mais baratos que no supermercado.

Outro vilão da saúde são os alimentos ricos em açúcar, que aumentam os riscos de obesidade e as doenças crônicas. Entre eles estão os refrigerantes, biscoitos, sucos de caixinha e de pozinho e sorvetes. Olívia Podestá recomenda educar o paladar para um consumo cada vez menor de açúcar e criar o hábito de eliminá-lo de bebidas como, por exemplo, cafés e sucos.

Para uma vida mais saudável, a nutricionista do Cecon recomenda privilegiar os alimentos frescos in natura, comer um mínimo de cinco porções de frutas e legumes por dia, peixes e grãos como chia, linhaça e aveia, que dão saciedade e produzem substâncias anticancerígenas no intestino.

“Produzir o próprio alimento, o mais natural possível, ter um prato mais colorido e evitar os industrializados contribui para reduzir os riscos de desenvolvimento de tumores que afetam intestino, esôfago, estômago, mamas endométrio, próstata e pâncreas”, destaca a nutricionista do Cecon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *