Cesar Herkenhoff

César Herkenhoff é pós-graduado em Psicanálise Clínica e em Criminologia, Política Criminal e Segurança Pública. Pós-graduando em Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho. Bacharel em Teologia, Direito e Comunicação Social. Hipnólogo e membro da Instituto Brasileiro de Hipnologia e da Sociedade Iberoamericana de Hipnologia Condicionativa. Jornalista, radialista e publicitário. Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Espírito Santo.

Dia da Sogra

 

A bruxa está solta. Não há a menor dúvida disso.

A lamentável greve geral convocada pelas centrais sindicais, para hoje, em protesto contra as reformas trabalhistas propostas pelo presidente Michel Temer, são uma inequívoca demonstração de que o projeto da esquerda não democrática é uma falácia.

Não morro de paixão por Michel Temer (o que provavelmente pra ele é uma grande notícia, até), mas as forças políticas responsáveis do Brasil sabem que as reformas trabalhista, previdenciária e política, para não ser prolixo, são absolutamente inadiáveis.

Temer terá ser mandado encerrado em final de 2018. A impopularidade e a falta de soluções de curto prazo tornam sua reeleição um projeto utópico. Seria, portanto, muito mais fácil, não pagar a conta do desgaste das reformar, deixando a bomba explodir no colo de seus sucessores.

Ocorre, no entanto, que um grupo de meliantes, que enriqueceu sem dar um único dia de trabalho e em cima da exploração do operariado, pretende mascarar o protesto contra as reformas de Michel Temer numa pseudo luta em defesa de direitos da classe trabalhadora.

Esses pilantras do sindicalismo estão fazendo cocô e caminhando para eventuais perdas de direito da classe trabalhadora.

Bandidos e vigaristas, esses dirigentes não têm coragem de vir a público dizer que só há uma motivação para a “greve geral” desta sexta-feira: o fim do imposto sindical, uma vaca de tetas muito gordas, que construiu fortunas nas lides da Central Única dos Trabalhadores, de forma especial, exatamente com o sacrifício da classe trabalhadora.

Além disso há uma legião de petistas que perderam cargos comissionados desde a cassação do mandato da desonrada presidente Dilma Rousseff, e veem numa possível eleição do vigarista Lula da Silva, em 2018, a possibilidade de retomada do poder.

Enfim, por trás da greve geral há apenas duas intenções espúrias:

De um lado, pilantras travestidos de lideranças sindicais de olho nos bilhões de reais arrecadados anualmente com o imposto sindical.

De outros, petistas insaciáveis querendo retomar a chave do cofre para concluir o projeto da dilapidação dos cofres públicos brasileiros.

A greve é um fracasso. Tenta-se criar o sentimento de que deu certo porque as pessoas não conseguiram chegar ao trabalho. Os imbecis acham que a adesão é voluntária, e não em consequência da grave violação do direito de ir e vir.

Por que essa corja não vai fazer protesto na Venezuela, onde trabalhadores e oposicionistas estão sendo assassinados diariamente pela ditadura de Nicolás Maduro?

Se não querem ir pra Venezuela, podem ir pra PQP.  Dia da Sogra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *