A Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) concluiu nesta sexta-feira (08), o inquérito policial instaurado no dia 21 de maio, sobre dois irmãos, de 2 e 4 anos, que foram encontradas sozinhos em casa com marcas de lesões corporais e extrema vulnerabilidade.

O Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) teve conhecimento sobre o assunto por meio de denúncia feita pelos vizinhos. As crianças haviam ficado trancadas e sozinhas por aproximadamente 10 horas e a situação encontrada na casa era deplorável. Um forte odor tomava conta dos cômodos e muitas moscas circulavam pelo local.

O menino mais novo estava nu, muito sujo e ao seu lado tinha uma frauda suja de fezes. Já o mais velho estava com 40 graus de febre, lesões na testa, no lado direito do rosto e no tórax. Ao lado do menino foi encontrado um pote com salsicha estragada.

Os pais das crianças, um pizzaiolo de 23 anos e uma dona de casa de 32 anos, afirmam que estavam no hospital, pois o homem passava mal, mas nenhum laudo, atestado, ou prontuário médico foi apresentado para comprovar o atendimento. Ambos afirma serem  ex-usuários de drogas, apesar de testemunhas dizerem que eles ainda usam o entorpecentes.

Dr Lorenzo Pazolini_Prisao_Estupro“Isso demonstra toda perversidade e crueldade, porque as crianças eram submetidas a um intenso sofrimento físico e psicológico, sem duvida nenhuma e isso foi comprovado nos relatórios de acompanhamento psicossocial”, relata o delegado Lorenzo Pasolini, titular da DPCA.

O pai, já foi preso em 2014 e 2016 em flagrante por tráfico de drogas e em 2015 por maus tratos, ele havia dado dois socos no rosto do filho mais velho, que na época, tinha apenas um ano de idade.

Algumas testemunhas afirmam que diversas vezes ouviam as crianças gritando por socorro e que o pai costumava colocar um pano na boca dos menores quando os agredia.

Motivações

Em depoimento, o pai das crianças afirma que batia nelas apenas para correção e que no dia 21 agrediu o filho porque este abriu a porta da geladeira e comeu uma salsicha.

“Ah relatos também de testemunhas, de que essa criança já era agredida fisicamente com cabos e fios elétricos, inclusive já teria sofrido todo tipo de lesões corporais”, conta o delegado Lorenzo Pazolini.

Segundo alguns vizinhos depois de saber que a policia esteve no local os pais não apareceram mais por lá, e se mudaram para uma casa em Cariacica, onde foram encontrados pela polícia.

Desenrolar do caso

Depois de ficarem internadas para recuperação as crianças agora estão em um abrigo e caso nenhum familiar comprove ter condições para criar, elas devem ir para adoção. Já o casal que foi indiciado por maus tratos e abandono de incapaz agora responde em liberdade, pois não houve situação flagrancial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *