terceira ponte - dayana souza (3)Nesta quinta-feira (3), a 3ª ponte foi fechada novamente para a tentativa de resgate de rapaz, de 34 anos. A hostilidade com a qual a vítima foi tratada chamou, mais uma vez, a atenção do Corpo de Bombeiros do Espírito Santo (CBMES), que pede por empatia em casos como esse.

Leia também: Depois de quase duas horas fechada, bombeiros liberam acesso à Terceira Ponte

O tenente coronel Wagner, do Corpo de Bombeiros reforça o pedido. “A população precisa entender que é necessário resgatar o sentimento que foi perdido pela humanidade: o sentimento de empatia, que é sentirmos a dor do próximo. A gente não conhece a vítima, mas ela tem uma família. Tem alguém que o ama, que o quer bem. Tem um pai, mãe, filho, e somente quando nós conseguirmos compreender a necessidade de sentirmos a dor do outro, passamos a valorizar a vida humana”.

O ano se renova, mas, as práticas continuam as mesmas. Em tempos onde as pessoas precisam ser mais tolerantes, em vários campos da sociedade, esta continua cada vez mais sem empatia, ou seja, em palavras gerais, o desejo, nobre, de se colocar no lugar do outro.

O caso

Segundo o Corpo de Bombeiros, o rapaz estava dentro de um carro de aplicativo, por volta das 8h, quando obrigou que o motorista parasse o veículo no vão central da via, que liga Vitória a Vila Velha. O condutor tentou segurar o homem, sem sucesso. Foi quando ele se posicionou frente à mureta da ponte.

Logo após o ocorrido, a Rodosol, concessionária que administra a Terceira Ponte, deu início à interdição. A empresa acionou a Polícia Militar para auxiliar no deslocamento dos veículos pelos ‘gates’ removíveis da ponte, tanto no sentido Vila Velha e Vitória. As entradas e saídas foram bloqueadas. Paralelamente, equipes dos Bombeiros foram acionadas. A ponte só foi liberada após duas horas, às 10h21.

As Guardas Municipais de Vitória e Vila Velha desviaram o trânsito dos veículos para a Segunda Ponte, Cinco Pontes e Centro de Vitória, que recebeu maior número de carros, mas, sem grandes consequências. Após a interdição, a equipe do CBMES deu início às negociações. Dois agentes negociadores se posicionaram ao lado do tentante, que queria se jogar, para impedir que ele se desloque no vão.

O tenente-coronel do CBMES, Wagner, reforça o propósito da corporação em situações como esta. “Nosso objetivo é tentar convencê-lo a desistir daquela tentativa de suicídio. Não houve uma desistência do tentante, mas houve uma abordagem emergencial que culminou no sucesso de trazer esta vítima a um lugar seguro”, afirma. Familiares do rapaz souberam da situação porque o próprio disse que iria cometer suicídio. Segundo o CBMES, ele, em muitos momentos, ficava desacordado.

A situação era de grau 3, prevista no plano de contingências apresentado no fim de 2018. Ela compõe casos como tentativas de suicídio e incêndios de veículos na ponte, por exemplo. A tenente-coronel da Polícia Militar, Bortoluzzi, conta como aconteceu a operação. “O trabalho de esvaziamento da ponte é muito, no máximo, dura 10 minutos. A Rodosol inicia o processo, ou seja, ela vem, já começa com os conte. As viaturas fecham as passagens. Os carros que já estavam na ponte saem pelo meio do vão central. Não tivemos muita dificuldade para isso. Também agimos assim para não ter qualquer tipo de interferência”.

O tenente-coronel da PM disse também que a Rodosol os informa por meio das câmeras de videomonitoramento. “A partir disso, recebemos o chamado e vamos até o local para realizar a operação. Não participamos das negociações para não atrapalhar o CBMES e para não reduzir o número de guardas nas extremidades da ponte, fazendo com que alguém possa invadir o local, que está interditado”.

Ainda de acordo com o tenente-coronel, a população precisa entender que é necessário resgatar o sentimento que foi perdido pela humanidade: o de empatia pelo próximo. “A gente não conhece a vítima, mas ela tem uma família. Tem alguém que o ama, que o quer bem. Tem um pai, mãe, filho, e somente quando nós conseguirmos compreender a necessidade de sentirmos a dor do outro, passamos a valorizar a vida humana”.

Após negociações, o rapaz foi encaminhado para o Pronto Atendimento da Praia do Suá O estado de saúde dele não foi informado.

Por Heberton Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *