Ademir sequestroPróximo de completar um mês do desaparecimento da menina Thayná de Jesus – em 17 de outubro – o caso parece estar desvendado. Foi preso, no Rio Grande do Sul, Ademir Lúcio Araújo Ferreira, em uma praça em Porto Alegre. A prisão, segundo a polícia, foi realizada por policiais militares do RS juntamente com três policiais civis do Espírito Santo, na madrugada desta segunda-feira (13).

Ao ser preso, Ademir confessou que raptou a menina e disse que Thayná e sua família o conheciam. “Quando parei o carro ela disse: oi, Ademir, é você?”. Mas, de acordo com a mãe da menina, isso não é verdade. Clemilda Aparecida de Jesus afirmou que, ao contrário do que Ademir declarou na gravação, nem ela nem Thayná o conheciam. ” Eu não conhecia ele e eu quero que ele fale isso na minha frente, olhando para mim. Esse verme nunca tinha visto minha filha antes”.

Ademir deu suas primeiras declarações em conversa gravada pela polícia gaúcha. No vídeo ela disse como abordou Thayná, confessou que ofereceu dinheiro para fazer sexo com ela e que, negando, a menina fugiu e se afogou no lago. Veja mais sobre o vídeo aqui

ossada1Uma ossada foi encontrada na última sexta-feira (10), no bairro Areinha, em Viana. Clemilda de Jesus colheu, nesta segunda, após conversar com a polícia sobre a prisão de Ademir, material para realização de exame de DNA para descobrir se o material humano é de sua filha. O resultado pode demorar até 30 dias, a partir desta segunda (13), mas o delegado José Lopes, responsável pelas investigações já pediu celeridade.

Para Clemilda, a prisão de Ademir é um alívio, mas ela diz que foi graças a sua luta que a polícia não deixou o caso de lado. “Não sei se é alívio, eu não sei ainda. É uma mistura de sentimento muito grande aqui dentro do meu coração. Eu já não sei se está doendo, se está me matando, o que está acontecendo. O alívio seria se eu pegasse ele, aí eu ia ficar aliviada. Mas está bom para mim. Só de saber que ele não vai mais fazer isso com criança nenhuma já é um conforto”, disse.

ClemildaFuga e apoio familiar
Ao mesmo tempo em que não consegue controlar sua ira contra o sequestrador de sua filha, Thayná de Jesus, 12 anos, Clemilda, faz elogios e agradece o apoio da família de Ademir Lúcio Araújo Ferreira. Segundo ela, ele é um verme, e estar em Porto Alegre (RS) no momento da prisão, prova que ele tentava fugir do país. E que sua prisão só foi possível com denúncias dos familiares do sequestrador.

“Eles falaram que prenderam ele lá no Sul, que eles já estavam atrás dele há um tempo, que ele já tinha fugido da polícia antes lá no Sul e que a intenção dele era atravessar a fronteira e fugir do país. Esse miserável! A intenção dele era fugir e me largar desgraçada no lixo, que era o lugar dele. Mas eu sabia que a minha filha não tinha fugido. Eu conhecia a minha filha, eu sabia que minha filha não tinha sumido”, ressaltou.

E acrescentou: “Tenho que agradecer à família dele. Alguém da família dele ajudou muito. Eles não têm nada a ver com esse verme. Até eles queriam que esse verme saísse da sociedade”, afirmou. De acordo com a polícia, Ademir chegou a ser detido, na última semana, mas conseguiu fugir e só foi recapturado nesta madrugada. Leia mais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *