Celebrar a vida, a beleza e o glamour. Esses são adjetivos comuns na vida GLS do ES. Afinal, somos oito vezes campeões do concurso Miss Brasil Gay. O ES abriga consagrados nomes da cena gay capixaba e nacional. Diversos nomes se apresentaram em programas nacionais de TV e existe no momento, um crescente interesse econômico e acadêmico sobre o universo GLBT local. Mas nem sempre foi assim. Sérgio Herzog recorda os anos de chumbo: “lá nos anos 80, a polícia invadia nossos concursos de beleza e todo mundo saia correndo com medo da porrada. E então o evento acabava. Os locais? Os mais distantes e inóspitos mas veja onde estamos hoje? Estamos ocupando teatros e a mídia nacional.” “Falar de HIV? Eu fui um dos primeiros transformistas a fazer abordagem nas ruas sobre o tema e sempre montada. Levava alegria e informação já que naquela época o número de gente morrendo da síndrome era alarmante”, lembra Miss Linda. Assim, pensando em valorizar e registrar aqueles que fazem da cultura, uma das mais fortes nacionalmente, que Weydey Alexandre e parceiros se uniram para premiar em noite especial, somente os melhores nomes da cena e militância do ES. Será sábado (21), a partir das 20 horas, no Teatro Carlos Gomes. Os ingressos custam R$ 30 (inteira). Ineditismo Durante o evento, estão programadas inúmeras intervenções com os artistas capixabas nos mais variados segmentos. Entre eles, moda, exposição, música, gastronomia, artes plásticas, audiovisual, fotografias, dança, carnaval, decoração. Com participação do setor da beleza que trás outra gama de profissionais como cabeleireiros, maquiadores, modelos, empresários e tantos outros. O mestre de cerimônias da noite de gala é Wilson Nunes. Os redutos políticos e militantes GLBT, representantes da justiça e polícia locais também são convidados a compreenderem mais da cultura e a participar dessa inédita produção feita com e para o segmento local. Weyden compreende que “visibilidade vem com trabalho e os GLBT estão há tempos trabalhando para representarem o ES de forma honrosa. Em retorno, uma noite onde o GLBT é o homenageado é o mínimo que oferecemos, já que ainda estamos morrendo nas ruas pela homofobia”. O relatório de 2012, apresentado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) em julho de 2013, revela que o número de vítimas de homofobia quase triplicou no último ano, com um aumento de 183% em relação a 2011. O relatório mostra ainda que 4.851 pessoas sofreram alguma forma de violência homofóbica em 2012, contra 1.713 em 2011. A prévia de 2013 assusta. Cerca de 80 GLBT já foram contabilizados. A quantidade de denúncias recebidas pela pasta teve um aumento de 166% no mesmo período, passando de 1.159 em 2011 para 3.084 em 2012, apontando 9.928 violações contra os direitos da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, um aumento de 46,6% sobre 2011. Ainda segundo a pesquisa, cada uma das vítimas sofreu, ao menos, três formas de violência. “É preciso atacar o problema para diminuir a homofobia em nossa sociedade, dentro das escolas e ações que valorizem o GLBT como #DESTAQUES2013 só somam visibilidade e respeito sendo uma alternativa para essa guerra em que vivemos. Precisamos de exemplos positivos e mais amor” opina Weyden.

19 de setembro de 2013 0

O papa Francisco, em entrevista publicada hoje (19), recomendou à Igreja Católica para “acompanhar” os homossexuais e divorciados “com misericórdia” e “a partir das suas…