milena gottardiAs audiências do caso Milena Gottardi, médica assassinada no dia 14 de setembro de 2017, no estacionamento do Hospital das Clínicas, em Vitória, serão retomadas a partir da próxima terça-feira (30). As testemunhas deverão ser ouvidas a partir das 09 horas, no Fórum Criminal, no Centro de Vitória, e seguem no dia 31.

Nos dois dias serão ouvidas 12 testemunhas arroladas pela defesa dos réus. Ao fim, o juiz vai analisar se eles devem ir a ou não júri popular. Essa decisão deve sair até o final de março.

Na manhã do dia 30, serão ouvidas quatro testemunhas de Esperidião e Hilário Frasson, sogro e marido de Milena, respectivamente, acusados de serem os mandantes do crime (duas para cada). A tarde, a partir das 13h, estão previstos os depoimentos de outras quatro pessoas também arroladas por Hilário. No dia 31 falam as testemunhas de Valcir Dias (3) e Hermenegildo Filho (1), ambos apontados como os intermediários do assassinato.

Os outros acusados pelo crime são Dionathas Alves (executor) e Bruno Rodrigues Broetto, apontado como quem roubou a moto usada pelo autor dos disparos.

Primeiras audiências

Nos dias 16 e 17, quando começaram as audiências, foram ouvidas as testemunhas arroladas pela acusação: o delegado responsável pela investigação do caso, Janderson Lube; um investigador de polícia; a advogada que atuava para Milena na área da família e três amigas da vítima.

Também foram ouvidas familiares da médica; duas mães de colegas das filhas da médica; um vizinho, além de duas pessoas que teriam sido contratadas por Hilário Frasson (marido e acusado de ser um dos mandantes do crime), para instalar câmeras na casa onde Milena morava.

Outras 22 testemunhas foram intimadas por carta precatória para serem ouvidas em locais diferentes na presença do Ministério Público: Fundão (16), Colatina (2), além de Linhares, Aracruz, São Mateus e Governador Valadares (uma em cada). Ao todo, são 55 pessoas constatadas no processo. O inquérito do caso tem mais de duas mil páginas.

O assassinato

A médica Milena Gottardi foi baleada na cabeça no dia 14 de setembro de 2017, quando saia do Hospital das Clinicas, em Vitória. De acordo com a polícia, o crime teria sido de mando e planejado pelo marido da vítima, Hilário Frasson, e o sogro Esperidião Frasson.

Na avaliação do responsável pelo caso, delegado Janderson Lube, o sogro passou a ver Milena como um problema financeiro, e não mais como membra da família. Uma vez que a separação fosse consumada, Hilário seria obrigado a ter responsabilidades financeiras com a médica e as duas filhas deles.

Texto: Thais Rossi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *