por Paulo Cesar Dutra

Além de passar 10 dias no maior sufoco para “ir e vir”, o povão é quem vai pagar essa conta. O aumento na tarifa dos ônibus do Sistema Transcol, que atendem a Grande Vitória, foi definido durante uma reunião no auditório do Departamento de Estradas e Rodagens do Espírito Santo (DER-ES), em Vitória. O preço passou de R$3,20 para R$3,40 – aos domingos o valor passa de R$2,80 para R$2,95.

Segundo a Secretaria de Estado dos Transportes e Obras Públicas (Setop) informou, integrantes do Conselho Gestor dos Sistemas de Transportes Públicos Urbanos de Passageiros da Região Metropolitana da Grande Vitória (CGTRAN) foram convocados na última quarta-feira (10), após a audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES) que culminou com o fim da greve dos rodoviários.

Procurada para falar sobre o assusto e sobre o percentual pedido para o reajuste na tarifa, o Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitana da Grande Vitória (GVBus) disse que não está se manifestando sobre o assunto.

A Secretaria de Transportes, Trânsito e Infraestrutura Urbana da Capital (SETRAN) também foi procurada para informar se há possibilidade dos coletivos municipais de Vitória também sofrerem aumento na tarifa, mas até o fechamento desta matéria não houve retorno.

No ano passado, o reajuste foi anunciado ainda em dezembro de 2016, mas só começou a valer em janeiro de 2017. O reajuste foi de 16,3%. A justificativa para o tamanho desse reajuste foi de que no ano de 2015 nenhum aumento foi realizado.

PT atrasa plano eleitoral de Lula
O cenário político conturbado desde o início da Lava-Jato, em 2014, com o impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, em 2016, e a indefinição jurídica sobre a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva provocaram atraso no cronograma eleitoral do PT. Em eleições passadas, nesta altura da disputa, o partido já tinha definido os nomes da coordenação da campanha responsáveis pelas articulações políticas, mesmo que informalmente.

Embora o partido não confirme publicamente, dirigentes admitem em conversas reservadas que a situação jurídica de Lula também tem atrapalhado. Líder nas pesquisas de intenção de voto, ele foi condenado em primeira instância a 9 anos e 6 de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP). Se a sentença for confirmada no dia 24 pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), o petista pode ficar inelegível com base na Lei da Ficha Limpa.

“A partir do dia 25, quando o partido vai reafirmar a candidatura de Lula, vamos acelerar este processo”, disse o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, um dos vice-presidentes do PT.

Mamãe eu quero
Os servidores do Ministério Público do Espírito Santo – MPES foram premiados com o reajuste  do auxílio-alimentação, mais uma vez. Agora ele vale, e como vale,  R$ 49 por dia útil. O aumento é retroativo a novembro de 2017.

Turismo erradicado em Vitória
Vitória a cidade presépio, porta da entrada do turismo no Espírito Santo não tem mais Secretaria de Turismo. Tem sentido, porque a Capital não tem mais nada para o turista ver. Foi tudo depredado pela Prefeitura da Capital. É a cidade que tem mais pedintes de rua por metro quadrado no país, por falta de um trabalho social. Uma péssima referência! Onde foi parar o projeto do Portal Sul? Na gaveta de alguém desde 2013. E a avenida Leitão da Silva…

Balançam e vão cair
As recuperações da Segunda Ponte e da Rodoviária de Vitória estão em “banho Maria”. As estruturas exigem reparos, dessas duas obras, conforme foi apontado por laudo apresentado pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado (Crea-ES) no dia 18 de dezembro de 2017. Tem até uma piada sobre a rodoviária. É de que ela vai ser transferida para o lugar da Ceasa em Cariacica, se ela desabar, vai economizar dinheiro aos cofres públicos. Maldade.

Montanha sem eucalipto
A Câmara Civil do Tribunal de Justiça do Espírito Santo manteve a decisão que proíbe o plantio de eucalipto no município de Montanha, no Norte do Estado. Será quem tem recurso!

Reforma da Previdência
A quase um mês da votação da reforma da Previdência, prevista para o dia 19 de fevereiro, a equipe econômica do presidente Michel Temer trabalha para garantir votos favoráveis de deputados e senadores. O governo argumenta que as mudanças nas regras de aposentadoria são essenciais para o equilíbrio das contas públicas.

Durante coletiva de imprensa nesta semana para falar sobre a regra de ouro, que é o limite de endividamento do governo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a aprovação da reforma vai garantir que as metas de déficit primário e do teto de gastos sejam cumpridas pelo governo nos próximos anos. Ele também defendeu a urgência da votação da matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *