acidente mimoso2As investigações sobe a tragédia que matou 11 pessoas na BR 101, em Mimoso do Sul, seguem, mas já há sinais da responsabilidade da carreta que transportava a carga de chapas de granito. A afirmação foi feita pelo secretário de Segurança do Espírito Santo, André Garcia, a um jornal televisionado na manhã desta terça-feira (12). Segundo ele, no Detran os dados o veículo e do motorista apontam que o carro não tem certificação para transportar esse tipo de carga e nem o motorista tem autorização ou treinamento para ela.

André Garcia destacou que essas são apenas informações preliminares e que investigações e perícias seguem em andamento. Contudo, destacou:  “A carreta que transportava pedra estava com a velocidade acima do permitido pela via. Tem a questão da carga, como ela foi amarrada. Em princípio a amarração foi feita pelo próprio motorista, que não tem formação para isso. Quem contrata esse tipo de serviço também precisa se preocupar com a segurança. Foi um conjunto de coisas que poderiam ter sido evitadas”.

De acordo com as primeiras apurações das polícias, há suspeita de que o motorista da carreta carregada de granito tenha batido no micro-ônibus ao fazer uma ultrapassagem. O veículo que transportava o grupo de dança alemã teria ido para a contramão e colidido contra um caminhão carregado de cerveja. O acidente aconteceu no km 490 da via, a 30km da divisa do Espírito Santo com o Rio de Janeiro, em Mimoso do Sul.

Os motoristas dos outros veículos saíram ilesos. Estavam no micro-ônibus 20 pessoas: 11 morreram no local do acidente (3 foram arremessadas e 8 carbonizadas); duas estão internadas em estada grave e sete tiveram ferimentos leves.

Foto: Leonardo Duarte/Secom-ES
Foto: Leonardo Duarte/Secom-ES

Despedidas
Na noite de segunda-feira (11), um dia após o acidente que matou integrantes do Grupo de Danças Folclóricas Alemãs Bergfreunde de Campinho, do município de Domingos Martins, uma missa foi realizada na Igreja Católica São Geraldo, em Domingos Martins, pelo arcebispo de Vitória, Dom Luis Mancilha Vilela. A celebração foi marcada pela emoção, com a presença de sobreviventes e parentes das vítimas.

Como mensagem, Dom Luiz destacou a importância da fé nos momentos de perda e de dor e pediu para que as pessoas reflitam sobre a fragilidade da vida. Familiares das vítimas e sobreviventes do acidente sentaram nos primeiros bancos da igreja, junto às autoridades.

Já no pátio da igreja Luterana, onde estão sendo velada às vítimas, moradores lotam para se despedirem das vítimas cujos corpos já foram liberados: Aloísio Endlich (foto), 27 anos, da estudante Karini Santa Wetter, 16 anos, e de Nandeiara Martins Kilper (foto), 17 anos.

O reconhecimento dos corpos está sendo feito no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, na Avenida Reta da Penha. As famílias estão recebendo atendimento psicológico no auditório da Polícia Civil, próximo ao DML. Segundo o delegado, Danilo Bahiense, oito corpos carbonizados precisarão de exame de DNA para serem identificados.

Cometários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *