por Paulo Cesar Dutra

Não é a primeira vez que o deputado estadual Amaro Neto se envolve em episódios curiosos! Já foi transferido para outra emissora de imprensa em outro Estado, mas até o momento sem esclarecimento. Recentemente esteve nas redes sociais uma publicação em tom de “desabafo” após uma paciente entender que o deputado estadual Amaro Neto teria sido beneficiado pelo cargo público para furar a fila em um Hospital particular. O próprio Hospital se encarregou de esclarece o atendimento prioritário a esposa de deputado. E assim sucessivamente.

No último sábado à noite o deputado e mais três assessores estavam no interior sul do Estado fazendo campanha para 2018. E foi em Alegre que abasteceram o carro oficial do gabinete do Amaro Neto em um posto de gasolina da cidade e saíram sem pagar a conta de R$160,00 de combustível.

A Polícia Militar foi acionada e em Jerônimo Monteiro o carro foi parado em um cerco e os quatro ocupantes do carro tiveram que deixar o veículo com as mãos para o alto, como suspeitos. O deputado se identificou como parlamentar e esclareceu tudo, que foi um mal entendido.

Observei um erro grosseiro, por causa dessa esculhambação, nos órgãos públicos, principalmente no legislativo onde ninguém dá satisfação das despesas com dinheiro público. O deputado não passariam por este vexame se o consumo do “Cartão Mais Gestão Frota” exigisse a apresentação da nota fiscal do gasto. Como a Assembléia Legislativa do Espírito Santo– ALES deixa o barco correr, a vítima foi o deputado.

Ele também precisa saber que por enquanto ainda é só pré-candidato a Senado e não senador.

Bacia do Rio Doce
Mais de 500 nascentes foram recuperadas na Bacia do Rio Doce desde o desastre ambiental provocado pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco, ocorrido no dia 5 de novembro de 2015. Foram recuperadas 260 nascentes no Espírito Santo e 251 em Minas.

PSDB e o Estatuto
O PSDB abriu espaços para os eleitores se manifestarem sobre a mudança do Estatuto do Partido. É atirar na água, porque a primeira mudança será incluir o artigo “não roube”, no documento…

Falam demais
A deputada Luzia Toledo (PMDB) protocolou na Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Resolução (PR) nº 41/2017, que inclui artigo no Regimento Interno da Casa para vedar a prorrogação do tempo de fala ou discurso dos parlamentares durante todas as fases das sessões, ordinária e extraordinária. O objetivo da matéria é permitir que todos os oradores tenham igualdade no momento de proferir seus pronunciamentos.  

Maia contra Temer
O presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM), disse nesta segunda-feira (4), que a PGR (Procuradoria-Geral da República) deve apresentar uma segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) e defendeu uma decisão rápida do Legislativo sobre o processo, de forma que a agenda de reformas seja retomada o mais breve possível. Parece que haverá segunda denúncia. Devemos analisar com todo respeito e decidir de forma rápida para avaliar as mudanças que o País precisa”, comentou o deputado, acrescentando que não sabe, no entanto, quando a nova denúncia contra o peemedebista será apresentada.

Fora ECO 101
O deputado estadual Josias Da Vitória (PDT) ingressou com uma ação na Justiça Federal   para que o contrato da ECO 101 seja cancelado por conta do descumprimento de várias cláusulas, inclusive, da não duplicação de vários trechos da rodovia. O deputado tomou esta ação após considerar uma falta de respeito as respostas do diretor presidente da ECO 101, José Carlos Cassaniga e do diretor superintendente da Concessionária, Roberto Paulo Hanke com o consumidor capixaba durante reunião da Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa.

Justa causa – Desídia – Reversão
Tribunal Superior do Trabalho – TST: justa causa revertida por falta de prova de desídia não gera dano moral. A decisão se deu na sessão da SDI-1 por maioria de votos, em apertado placar: 6 x 5. Prevaleceu a tese do relator, ministro Aloysio Corrêa da Veiga, que concluiu não ter ocorrido divulgação ampla dos fatos que causaram a dispensa.  No julgamento narrado acima, os ministros que acompanharam o relator aproveitaram a oportunidade para combater a chamada indústria do dano moral. Ao falar da “banalização do pedido de indenização por dano moral”, o ministro Brito Pereira narrou caso que chegou a seu gabinete no qual a parte reclamou que o chefe cumprimentava a todos da seção e não ela. “Mas esse reclamante ficava no fundo da sala”, contou S. Exa. Por sua vez, ao dar o último voto, o presidente do colegiado, ministro Emmanoel Pereira, afirmou categoricamente: “Está havendo uma banalidade do dano moral, uma indústria do dano moral, e este Tribunal precisa dar um freio”.

Feriado prolongado
Em Vitória na próxima sexta-feira, dia 8, é feriado. Tudo estará fechado! Mas nos outros municípios e nos órgãos públicos? Vai ter enforcamento em 77 municípios!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *