UVVO Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) convocou uma reunião com alunos de medicina da Universidade de Vila Velha (UVV) para discutir o que levou os futuros médicos a postarem fotos nas redes sociais trajando jaleco, com as calças abaixadas até o tornozelo, usando hashtags como #pintosnervosos. A postagem gerou repercussão nacional . Para alguns as imagens é considerada ofensiva e faz apologia ao estupro.

Estiveram presentes na reunião 12 alunos envolvidos, e um advogado os representando. “Foi esclarecido que o Conselho não tem como punir os alunos, que isso é de competência da Universidade. A preocupação do CRM era de entender os motivos das fotos. E segundo eles, em uma sessão de fotos para a formatura de terno e gravata, no final, resolveram fazer uma brincadeira. As fotos teriam sido tiradas, de acordo com o que falaram, pelos próprios alunos e que não sabem como as fotos foram vazadas de um grupo restrito e publicadas nas redes sociais”, descreveu o diretor-presidente do CRM-ES, o médico Carlos Magno Pretti Dalapicola. A punição por meio do Conselho aconteceria se os envolvidos já possuíssem o registro profissional.

O diretor-presidente ainda disse que alguns alunos estavam emotivos e chegaram a chorar durante a conversa. “Nosso papel durante a conversa foi colocar para eles a importância do profissional médico prezar desde o inicio dos estudos pela ética. Eles relataram que já estão sentindo na pele as consequências dessa ação, da comunidade e dos próprios colegas”. Os julgamentos da sociedade é um direito, segundo o diretor-presidente. “Tudo culminou com essa exposição desnecessária e indevida. Como as fotos foram expostas em público a população acaba tendo esse direito de condenar e julgar os estudantes”, complementou.

Por meio da assessoria de imprensa a Universidade, confirmou que a convocação da reunião foi em caráter de conscientização dos alunos, para que o Conselho explicasse a eles o certo e errado e o porque eles com estes atos infringiram as condutas éticas da profissão.

Desde esta segunda-feira (10) os alunos já estão inseridos no processo de sindicância da Universidade. No prazo inicial de 30 dias, um Conselho gerido pelo Reitor da Universidade e por representantes dos setores de informática, saúde, direito e administração, vão ouvir os depoimentos de todos os envolvidos, inclusive de quem se sentiu ofendido com as publicação.

Terminado os trita dias, será feita uma votação do Conselho para definir qual e se os alunos serão punidos. Eles ainda terão 15 dias para recorrerem a decisão. Os alunos podem ser punidos de forma primária, por meio de uma advertência verbal e escrita. Em segunda instancia, com um suspensão de três a cinco dias. Neste caso, a Universidade informou que como eles estão no ultimo período, precisam cumprir 100% do currículo, que no caso de falta por suspensão não podem repor estas aulas, gerando a reprovação. Por ultimo e o mais grave é o desligamento dos alunos da instituição.

A Universidade ainda informou que como estão no ultimo período cumprem o regime de internato, por isso no período de 30 dias de apuração, eles vão continuar cumprindo seus atendimentos normalmente.

“Com a conversa de hoje chegamos a conclusão que todo profissional da área médica quando vai expor algum tipo de foto, que a principio vai fazer alguma brincadeira, deve ter cuidado”, finalizou o diretor-presidente do CRM-ES.

 

Cometários

  1. O CRM do Espírito Santo já deveria ter sido extinto, assim como outras instituições parasitas que nada fazem pela profissão, só oneram o trabalhador e usam do poder para reserva de mercado. Sabe-se lá quantos que ocupam as “distintas cadeiras” que não deveriam estar respondendo por atrocidades que cometem nos consultórios e hospitais, em vez de perseguir gente honesta.

  2. Fui professor da Unesp por trinta anos. Sem fui contra a criação dessas faculdadezinhas butecos de esquina pois não dão qualquer formação tecnica e moral aos “profissionais”.

  3. Sabia que não daria em nada (R$) e nem vai dar. Marquem só a cara e procure saber os nomes dos indivíduos protejam-se de profissionais desse tipo. Já vão sair dá universidade sem qualquer senso de ética e moral.

  4. Que ridículo, como assim vão continuar atendendo como internos, realmente estamos a mercê de marginais, e sem justiça nesse país, será que os senhores e senhoras que estão a frente do conselho regional de medicina não tem mulheres em sua família? Indignada

  5. “Tudo culminou com essa exposição desnecessária e indevida. Como as fotos foram expostas em público a população acaba tendo esse direito de condenar e julgar os estudantes”. Fica parecendo que, no entendimento do Conselho, o erro foi a foto ter vazado e não eles terem tirado a foto em primeiro lugar.

  6. Que besteira gente. Não consigo associar a publicação com apologoa ao estupro. Foi só uma brincadeiera que não incita nada de estupro e nem ofende ninguém. Achei um exagero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *