viatura_polícia_civilPor Ana Luiza Andrade

Um jovem de 15 anos foi apreendido em flagrante por suspeita de assaltar um casal de idosos, em Guarapari, por duas vezes. O crime também teve a participação de outro adolescente, que não foi localizado.

De acordo com o delegado Guilherme Eugênio, titular da Delegacia Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Guarapari, a senhora, de 62 anos, foi rendida junto com o marido, de 78 anos, dentro de casa, no último dia 3. Foram levados uma televisão e alguns objetos de valor.

Segundo o delegado, no decorrer da semana, o casal de idosos comprou um aparelho de TV novo. Porém, na quarta-feira (6), eles foram rendidos novamente pela mesma dupla, que dessa vez levou a TV recém-comprada, um iPhone, dinheiro e alguns objetos de valor.

O delegado disse que na fuga, os adolescentes deixaram cair uma arma de airsoft e um celular. Em seguida, eles descartaram o iPhone que pertencia às vítimas. Segundo ele, o aparelho foi encontrado por um morador que passava pela rua.

As vítimas ligaram para o celular, que foi prontamente devolvido. Porém, o casal de idosos confundiu a pessoa com um dos assaltantes e chamou Polícia Civil, que o encaminhou para a delegacia.

De acordo com Guilherme Eugênio, um outro delegado de plantão não se convenceu com o reconhecimento e liberou vítima. “Na manhã de quinta (7), nós começamos a investigação. O telefone encontrado na fuga estava bloqueado, mas nas notificações havia o número de uma pessoa, um homem de 30 anos, que apareceu na delegacia acompanhado do pai, e apresentou documentos comprovando que o adulto é interditado para fins civis e teria uma deficiência que faria com que ele tivesse a idade mental de uma criança de nove anos”.

Guilherme Eugênio disse que o homem apontou o adolescente de 15 anos como o verdadeiro dono do celular. “Nós fizemos a apreensão do jovem quando ele estava na escola, e quando interrogado, ele apontou o adulto como o organizador do crime. O jovem afirmou que o homem teria levado os dois adolescentes de carro para o local do assalto”, disse.

O titular da Deic de Guarapari disse que os documentos apresentados pelo pai do homem de 30 anos serão avaliados pelo juiz, para que seja decidido se será feita a prisão ou se outras medidas serão tomadas.

Reconhecimento

O delegado Guilherme Eugênio esclareceu que o reconhecimento da vítima não foi considerado pelo delegado pois a Polícia Civil entende que, apesar do relato da vítima ser importante, não é possível se basear apenas no que foi dito por ela.

A identificação de um suspeito deve ser analisada em todo o contexto, que, no caso não apresentou certeza sobre ser o assaltante. O delegado afirmou que essas medidas são tomadas para evitar que inocentes sejam presos indevidamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *